Publicidade

Família de Moïse diz que foi intimidada por dois policiais militares

  • em



A família do morto Moïse Mugengolês Kabagambe, espancado e aos 24 anos em um quiosque no Rio de Janeiro, diz que se sentiu intimidada pela atitude de dois policiais militares que compareceu ao estabelecimento às vezes desde o crime.

 

 

Segundo os pais foi na própria noite de janeiro, primeira vez em 24 A dupla teria filmada no local que o Samu foi registrada no local depois das polícias mostrados que foram divulgados pela Polícia Civil não momento.

 

 

Com base nas imagens, a Polícia Civil prendeu três homens pelo homicídio nesta terça (1º): Fábio Pirineus da Silva, Aleson Cristiano de Oliveira Fonseca e Brendon Alexander Luz da Silva. Os dois últimos Fa, segundo a barraca num quiosque vizinho de praia de Mattos, como investigador.

 

 

A segunda vez que os policiais apareceram no dia seguinte, uma terça-feira, quando parentes e amigos de Moïse foram até a Barra da Tijuca (zona oeste) tentar entender o que havia à morte. Eles estavam fazendo perguntas ao dono, Carlos Fabio Muzi , e ao funcionário do quiosque Tropicália, e depois a uma mulher de outro quiosque.

 

 

A intenção que o proprietário acompanhasse a família até a Delegacia de Homicídios () para dar depoimento de Homicídios, o que até aquele momento ainda não havia oferecido. Segundo os relatos, o proprietário disse que iria o carro para partirem, mas buscou.

 

 

meio tempo, do grupo já anterior, e pediram que os documentos foram criados sobre os documentos anteriores, parentes que não existem, mesmo dia, as perguntas já foram anteriores.

 

 

A gravação em áudio de parte da conversa, obtida pela Folha, mostra um agente afirmando que os comerciantes não eram obrigados a dar explicações à família, e sim apenas ao delegado. A comerciante chega a dizer que tudo bem, mas o policial insiste.

 

 

“Eu falei para o dono do quiosque. Qualquer informação, vocês têm que dar lá na DH, que está a cargo da investigação. A informação que eles devem dar, que eles são obrigados a dar, é para o delegado. O delegado veio ou vai vir aí, ou vai chamá-los para a delegacia. Não adianta ficar falando aqui”, diz o agente.

 

 

“Não, mas a gente só está conversando”, responde o amigo de Moïse. “Beleza. Se quiser falar, você pode falar, mas você [se dirige à mulher] não é obrigada a dar informação nenhuma. Até porque a investigação quem faz não são vocês, é a delegacia”, repete o policial.

 

 

“Ele é nosso irmão, aconteceu ontem, a gente veio tentar entender”, rebate o amigo. “Eu entendo seu sentimento de irmão, sua revolta, ninguém quer perder um parente”, responde o agente. A comerciante então continua explicando que Moïse trabalhava informalmente para vários quiosques, e o policial intervém novamente.

 

 

“Não, mas eu posso conversar com eles”, ela fala. “Se você quiser falar alguma coisa, pode falar, [mas] ela não é obrigada a dar nenhuma informação”, afirma o agente mais uma vez. “Eu também não estou obrigando ela a dar nenhuma informação”, diz o amigo. “Tranquilo”, responde o policial, e a conversa se encerra.

 

Moïse Mugenyi foi espancado e morto no Rio de Janeiro
Moïse Mugenyi foi espancado e morto no Rio de Janeiro

 

Quatro dias depois, no sábado (29), a mesma dupla apareceu pela terceira vez, segundo os familiares. Foi durante o protesto em frente ao quiosque, embora já houvesse policiais do programa Segurança Presente acompanhando o ato. Até então, o caso não havia ganhado tanta repercussão.

 

 

Nesse dia, de acordo com os relatos, os agentes voltaram a pedir documentos e a fazer perguntas sobre o que havia acontecido e o que o grupo fazia ali. Questionado pela reportagem se haviam se sentido intimidados, um tio respondeu que sim.

 

 

“Claro que sim. O policial fardado com arma, pedindo seu documento com aquele tom de voz, daquele jeito da Polícia Militar do Rio de Janeiro. Eu sou negro, já passei por batida policial quando tava com uniforme de serviço indo trabalhar, aí você não está uniformizado, começam a te perguntar… Quem não fica intimidado?”, disse ele.

 

 

Procurada na tarde desta quarta (2) para comentar a situação, a Polícia Militar afirmou que “todas as questões pertinentes ao caso estão sendo investigadas pela Delegacia de Homicídios da Capital”.

 

 

O motivo das agressões que levaram à morte do congolês ainda não está claro. A família diz que Moïse trabalhava na praia havia cerca de cinco anos e se queixou algumas vezes de que recebia suas diárias e comissões com erros ou com atraso. Eles acham que naquele dia ele foi cobrar diárias atrasadas.

 

 

A família conta que foi avisada da morte do congolês por um colega que estava bebendo com ele na praia mais cedo naquele dia. Esse jovem, com quem a Comissão de Direitos Humanos da OAB está em contato, é menor de idade e até agora não prestou depoimento por medo.

 

 

Já o funcionário do quiosque Tropicália, que foi filmado discutindo com o congolês antes das agressões, afirma que ele queria pegar cervejas do freezer. Quando a família conversou com esse funcionário no dia seguinte à morte, ele disse que Moïse estava bêbado e incomodando outras mesas.

 

 

“Veja bem, antes de ele chegar na mesa, ele queria pegar bebida aqui. Eu chamei ele, falei: pô, cara, eu tô trabalhando. Eu conhecia ele da manhã. E ele: não, amanhã eu pago. Ele não chegou a pegar cerveja. Ele só queria abrir isso aí [freezer] e eu pedi a ele: pô, faz favor senão amanhã vai sair da minha conta. Aí ele pegou e saiu para lá”, afirma ele na gravação obtida pela Folha.

 

 

A comerciante do outro quiosque esclareceu que a relação de trabalho era sempre bastante informal: “Ele trabalhava para todo mundo. […] Eu não tenho funcionário, meu único ajudante hoje é só essa menina e a cozinheira. Os meninos são freelancers. Chegam e falam: tia, deixa eu trabalhar? Aí vende caipirinha, ganha R$ 5, vende ali ganha mais R$ 5”, diz ela no áudio.

 

 

A rivalidade entre os vendedores também é um fator citado pela família. Segundo eles, Moïse vendia bastante porque era muito comunicativo e falava várias línguas: português, lingala (idioma congolês), francês e um pouco de inglês.

 

 

Foto da capa/legenda: Lotsove Lolo Lavy Ivone e Fernando Mupapa, mãe e tio de Moïse – Tércio Teixeira/Folhapress




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.

 

 

Você pode nos ajudar aqui:

 

 

Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

 

 

BRB

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

 

 

→  PIX:23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

 

 

📷 Instagram

🎞️YouTube

📱Facebook  

💻Site

 

 

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

 

 

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *