Publicidade

Moradores de Águas Claras reivindicam ações concretas do GDF para combater o Covid-19

  • em


Na quarta-feira, 3 de junho, o Distrito Federal já contabilizou 181 mortes e mais 11.398 casos confirmados de pessoas contaminadas pelo coronavírus (Covid-19), conforme boletim da Secretaria de Saúde do Governo do Distrito Federal (GDF).

 

Neste cenário, Águas Claras aparece entre as cidades da Região Administrativa que estão sendo mais afetadas pela doença, com 475 pessoas contaminadas – sendo 247 homens e 228 mulheres – e 10 mortes.

 

Para o presidente da Zonal do PT de Águas Claras, Valcir Araújo, o total de atingidos e que perderam a vida Covid-19 é muito alto, o que requer do GDF que intensifique as ações de combate ao vírus, especialmente, agora, que as atividades comerciais estão sendo retomadas e o isolamento social está diminuindo.

 

“Estamos no momento mais crucial desta pandemia. Portanto, precisamos ter ações governamentais concretas para impedir que mais pessoas sejam fatalmente atingidas”, disse Valcir, cobrando do Governo Ibaneis a intensificação de medidas sanitárias e humanitárias para o DF e Entorno.

 

“No caso de Águas Claras, queremos que o GDF intensifique a higienização dos pontos mais movimentados da Região Administrativa bem como que amplie o número de testes por drive-thru para Covid-19”, defendeu.

 

Conforme informou o dirigente petista, desde que começou a pandemia, a Zonal PT-Águas Claras mornou várias ações solidárias para atender às pessoas que estão passando por situações muito difíceis. “Montamos uma campanha de arrecadação de cestas básicas e de agasalhos e estamos distribuindo para pessoas e entidades do Areal e de Arqueiras. Também estamos organizando debates nas redes sociais sobre o tema, visando conscientizar às pessoas sobre a necessidade de se proteger contra o vírus que, na maioria das vezes, é fatal”.

 

Valcir concluiu, reforçando a urgência de o Governo Ibaneis adotar medidas sanitárias e solidárias “para reduzir ainda mais o impacto da pandemia na vida das pessoas e acolher aquelas mais vulneráveis, que dependem exclusivamente do poder público e de doações”.

  • Compartilhe