Publicidade

Vale tudo

  • em


As primeiras notícias do surgimento do novo coronavírus cumpriram todas as etapas do famoso adágio popular: “ver para crer”. Seria só um problema localizado na China, foi o que acreditamos no início. Não faltaram teorias conspiratórias: “Os americanos desenvolveram o tal vírus para causar um dano na economia chinesa”. Da outra ponta ideológica veio o raciocínio de que: “Os chineses criaram o vírus para prejudicar a economia global e terem crescimento nesse cenário”. Quero acreditar que nenhuma das teses seja verdadeira.

 

Também houve quem dissesse que o vírus sequer existia. Ainda há os tais defensores da idéia, mas eles são bem menores a cada dia que passa, na medida em que a rede de infecção chegou a um ponto, que não custa arriscar dizer, que todo ser humano conhece alguém que se tornou vítima fatal da COVID-19. A descrença trouxe uma intrigante particularidade. Foi exatamente entre os cultivadores da fé que mais cresceu a idéia de não acreditar em algo que não se pudesse ver.  Uma inversão de lógica.

 

A chegada à Europa assustou o mundo. A Itália sofreu muito e chocou o planeta com a rápida disseminação e o elevado número de óbitos. Mas logo vieram os atenuantes esperançosos a iludir o resto do mundo: “A população europeia tem uma média de idade muito elevada, a Europa e a Itália não tem hábito de se vacinar e adquirir imunidade cruzada, o clima frio é propício ao vírus”, etc. Ou seja, o que estava acontecendo na Itália haveria de ficar somente na Itália. Ledo engano. A chegada ao continente americano mostrou que os acontecimentos da China e da Europa eram um ensaio do poder devastador do vírus que por aqui mostrou o seu maior potencial.

 

Vivemos a “primeira onda” que tratou de nos ensinar que poderia existir um novo mundo, com distanciamento social, trabalho a partir da própria casa, higiene cuidadosa das mãos e o uso de máscaras. Essa receita mostrou ser eficaz, pois os óbitos e o contágio recuaram bastante, ao ponto de se acreditar que a pandemia estava indo embora. Mais uma vez nos enganamos.

 

A impressão é que o vírus passeia no meio de um monte de erros de todos os lados. Da população, que teima em se aglomerar, dos governos que em medidas diferentes não querem se expor a um ou outro setor da opinião pública e vão tapando os olhos, permitindo concessões no combate ao vírus e se agarrando na esperança sem lógica de que tudo vai passar por obra do destino. E aí não entra só o presidente Bolsonaro. A ele cabe a maior responsabilidade pelo poder que representa e pela necessidade de unificarmos essa batalha.  Fica difícil esperarmos que saia algo de útil da cabeça de alguém de onde nunca saiu nada a vida toda. Bolsonaro não deve demorar a ser carta fora do baralho. O mundo já não o suporta. Vamos fazer a nossa parte.

 

Todos as cidades correm o risco de se tornar a Manaus do amanhã. A falta de planejamento e o exagerado otimismo deixaram eleições, confraternizações e festas correrem frouxo, nos trazendo uma nova onda com variantes do vírus e o desafio bem claro de que ou vencemos a guerra ou ficamos com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando…, como dizia Raul Seixas. A vacina é só o início de um caminho que precisa ser percorrido. Já sabemos por onde passa esse caminho que pode nos livrar da dor e do sofrimento que a pandemia vem nos causando. Se não queremos prolongar essa batalha, devemos utilizar tudo que já conhecemos pra vencer a doença. Vale trazer mais vacinas para todos. Vale continuar com as medidas de combate à propagação do vírus. Vale respeitar a prioridade na vacinação… Agora, vale tudo …

 

Steffano Silva Nunes

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *