Publicidade

USP assina a Declaração de Tolerância Zero para a Violência de Gênero nas Universidades

  • em



O documento é uma iniciativa da Red de Macrouniversidades de América Latina y el Caribe

 

 

A USP é uma das signatárias da Declaração de Tolerância Zero para a Violência de Gênero nas Universidades, que propõe ações para combater a violência de gênero nas universidades da América Latina.

 

 

A assinatura da Declaração aconteceu ontem, dia 25 de novembro, durante o evento on-line Acciones por la igualdad de género en las macrouniversidades de América Latina y el Caribe, organizado pela Red de Macrouniversidades de América Latina y el Caribe.

 

 

“Todas e todos conhecemos o poder de transformação que têm as instituições de educação superior e seu enorme potencial para desmantelar práticas culturais nocivas. Hoje, nos unimos neste ato para convocar a todas as universidades, seus membros e comunidades a buscar a verdadeira igualdade, a erradicar a dominação e a violência de gênero. Nossa responsabilidade como Red de Macrouniversidades vai além da educação formal, nosso dever está em criar uma nova cidadania e com ela fortalecer uma cultura de paz e igualdade”, afirmou o reitor da Universidad Nacional Autónoma de México (Unam), Enrique Graue Wiechers, atual presidente da Red de Macrouniversidades.

 

 

O documento é um marco no combate a todas as formas de violência de gênero nas universidades que compõem a rede, e prevê uma transformação igualitária, inclusiva, justa e comprometida com os direitos humanos, realizada por meio de reformas jurídicas, normativas e acadêmicas.

 

 

As universidades signatárias se comprometem em realizar campanhas de sensibilização e programas de capacitação; incentivar toda a sociedade a denunciar casos de violência; criar políticas de prevenção, com base em normativas nacionais e internacionais; ampliar a diversidade de gênero em cargos de decisão; promover acordos de cooperação com outras instituições para fortalecer o compromisso de alcançar uma vida livre de violência.

 

 

Ações para a igualdade de gênero nas universidades

 

Em comemoração ao Dia Internacional pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, em 25 de novembro, a Red de Macrouniversidades de América Latina y el Caribe organizou o evento Acciones por la igualdad de género en las macrouniversidades de América Latina y el Caribe, que reuniu pesquisadores e dirigentes que coordenam as políticas de gênero das universidades que integram a rede.

 

 

O evento foi conduzido pela coordenadora para a Igualdade de Gênero da Unam, Tamara Martínez Ruiz, que também participou da mesa-redonda Ações para a igualdade de gênero, junto com a coordenadora do Escritório USP Mulheres, Adriana Alves; a vice-reitora acadêmica da Universidad de Buenos Aires, María Catalina Nosiglia; a diretora de Igualdade de Gênero da Universidad de Chile, Carmen Andrade; e a diretora do Instituto de la Mujer da Universidad de Panamá, Aracelly de León.

 

 

A reitora da Universidad Nacional de Colombia, Dolly Montoya Castaño, proferiu a conferência magna.

 

 

Assista, a seguir, à íntegra do evento Acciones por la igualdad de género en las macrouniversidades de América Latina y el Caribe:

 

 

Origem da data

 

O dia 25 de novembro foi escolhido como o Dia Internacional pelo Fim da Violência Contra as Mulheres para homenagear três mulheres da República Dominicana, as irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa Mirabal, conhecidas como “Las Mariposas”. Elas se opuseram à ditadura de Rafael Leónidas Trujillo e, por isso, foram presas, torturadas e assassinadas em 25 de novembro de 1960.

 

 

Em 1981, durante o Primeiro Encontro Feminista Latino-Americano e Caribenho, que foi realizado na Colômbia, a data do assassinato das irmãs Mirabal foi indicada para ser o dia latino-americano e caribenho de luta contra a violência à mulher.

 

 

Quase duas décadas depois, em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 25 de novembro como o Dia Internacional da Eliminação da Violência Contra as Mulheres, em homenagem às irmãs Mirabal.




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *