Publicidade

Uma esperança de igualdade

  • em



Resenha do novo livro de Piketty

 

 

 

A diretora-assistente do Departamento do FMI Ásia e Pacífico, Era Dabla-Norris, fez uma resenha sobre o recente livro do economista Thomas Piketty, Uma Breve História da Igualdade. A seguir, um resumo da análise:

 

 

– Piketty [faz] relato surpreendentemente otimista do progresso humano em direção à igualdade (…) Ele mostra que as sociedades humanas avançaram em direção a melhorias mensuráveis na qualidade de vida e distribuição mais justa de renda e bens, mas serão necessárias novas soluções para lidar com as desigualdades de hoje.

 

 

– As duas guerras mundiais e o deslocamento da Grande Depressão são o pano de fundo da “grande redistribuição” de Piketty – as desigualdades de renda e riqueza drasticamente reduzidas em grande parte do mundo ocidental entre 1914 e 1980, graças à ascensão do Estado de bem-estar social e à tributação progressiva de renda e riqueza.

 

 

– Esse “salto à frente” foi possibilitado por uma mobilização de receita sem precedentes: de menos de 10% da renda nacional em 1910 para entre 30 e 40% nas décadas intermediárias do século. A tributação progressiva reduziu a concentração massiva de riqueza e poder econômico no topo, (…) conquistando a aceitação coletiva para o novo contrato social e fiscal.

 

 

– A crescente concentração de renda e riqueza desde a década de 1980 e a persistência da desigualdade em todas as suas formas falam da urgência da necessidade de transformação (…) Piketty [argumenta] que a liberalização financeira, a desregulamentação e as brechas no sistema tributário internacional favoreceram as maiores fortunas em detrimento de outras.

 

 

– Suas soluções propostas incluem um retorno a uma maior progressividade fiscal: alíquotas de Imposto de Renda significativamente mais altas para pessoas de alta renda, um imposto global sobre a riqueza, programas de renda básica e cancelamento de dívidas. O progresso seria marcado por eleições com financiamento público (…) A experiência passada, observa Piketty, oferece esperança de que tal “transformação profunda do sistema econômico mundial” seja possível.

 

 

(*) Por Marcos de Oliveira, diretor de Redação do Monitor Mercantil .

 

 

Siga o Jornal Brasil Popular no Twitter.

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *