Publicidade

Uma criança morre por dia de covid-19 no Brasil em 2022

  • em



Governo Bolsonaro atrasa a vacinação das crianças contra a covid. Mortes de vacinados caiu drasticamente enquanto vítimas crianças aumentaram

 

 

Uma criança de até 5 anos morre por dia de covid-19 no Brasil. Entre os dias 1° de janeiro e 11 de outubro, foram 314 vítimas nessa faixa etária. Os dados são do Observatório da Infância da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/Unifase). Os mais jovens estão entre os menos vacinados contra o vírus. Por isso, especialistas colocam as crianças hoje como um dos principais grupos de risco de morte. Contudo, o governo Bolsonaro segue dificultando a imunização infantil em massa.

 

 

De acordo com o Vacinômetro Covid-19 do Ministério da Saúde, apenas sete em cada 100 crianças entre 3 e 4 anos estavam totalmente imunizadas com duas doses em novembro. Nem sequer existem dados consistentes sobre os ainda mais jovens. Desde o dia 16 de setembro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza o uso dos imunizantes da Pfizer para crianças acima de seis meses. Contudo, o governo até hoje aconselha que apenas pacientes com comorbidades recebam as vacinas.

 

Nísia Trindade será primeira mulher a comandar Ministério da Saúde

 

O atraso na imunização de crianças ganhou um novo capítulo neste fim de ano. Contrariando a ciência e recomendação de especialistas do próprio Ministério da Saúde, a pasta abriu uma consulta pública sobre o tema. A ideia é ouvir pessoas que nada têm a ver com a área, inclusive bolsonaristas adeptos de teorias conspiratórias. Desde antes do início da imunização, aliados do presidente e ele próprio atacaram os imunizantes e divulgaram mentiras sobre a segurança dos fármacos. Bolsonaro chegou a relacionar as vacinas com HIV e disse que quem as tomasse viraria “jacaré”.

 

 

Morte de crianças que seriam evitáveis

 

Então, estas mortes de crianças somam-se àquelas evitáveis, não fosse a condução desastrosa do bolsonarismo diante da pandemia. Isso porque as vacinas já provaram a eficácia de forma inquestionável. Basta verificar a redução drástica nas mortes após a imunização massiva, mesmo em momentos de explosão de casos.

 

 

“Com vacinas disponíveis, podemos considerar a Covid-19 uma doença imunoprevenível. Isso significa que essas mortes podem ser evitadas com uma política pública de vacinação em massa”, afirma a coordenadora do Observa Infância, Patricia Boccolini.

 

Internações por covid

 

 

De acordo com o Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) do Ministério da Saúde 11.144 bebês e crianças de até 2 anos foram internadas por conta da covid-19 de janeiro a dezembro deste ano. Trata-se de um aumento de 21,3% em comparação com o ano passado. Em contrapartida, entre os adultos vacinados, as internações caíram 82,6%.

 

 

A situação das crianças não vacinadas é especialmente preocupante nesta época. As férias escolares e as festas de fim de ano fazem crescer aglomerações e aumentam o risco de contágio de doenças respiratórias. Ontem (13) foram registradas 153 mortes ligadas à covid-19 no país. A nova onda do vírus chega ao 23º dia com aumento na média de mortes. Nos últimos sete dias, a variação foi de 34%. Novas subvariantes da cepa ômicron do coronavírus possuem relação com esse aumento, além do fim de medidas preventivas como uso de máscaras.

 

Ministério da Saúde de Bolsonaro força atraso da vacinação de crianças

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *