Representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT-RS) e de diversos sindicatos se mobilizaram nesta quarta-feira, 24 de março, para pedir agilidade na vacinação, emprego, apoio para pequenas e médias empresas e Auxílio Emergencial no valor de R $600,00. As manifestações foram realizadas presencialmente em Porto Alegre, São Leopoldo, Campo Bom, Gravataí, na Região Metropolitana e no município de Ijuí, desde cedo, com faixas em viadutos e em ato na frente do Palácio Piratini.

 

 

O Rio Grande do Sul enfrenta o pior momento na pandemia com 809.039 pessoas contaminadas pela Covid-19, e 17.748 mortes. Aliás, a Região Sul junto com Santa Catarina e o Estado do Paraná estão no epicentro da crise sanitária no país, segundo o Ministério da Saúde.

 

 

Representantes do CPERS-Sindicato fizeram manifestações em frente à 1ª Coordenadoria Regional de Educação e na Secretaria de Educação e depois seguiram para a sede do governo estadual localizado no Palácio Piratini, no Centro Histórico da capital. “O governador precisa se mexer. Não é possível que continue confiando no calendário de vacinação do governo Bolsonaro. Ele tem também autorização para comprar vacinas e conter esta tragédia que se abate sobre os gaúchos”, alertou a presidente do Cpers-Sindicato, Helenir Aguiar Schürer. O ato também reuniu estudantes, metroviários e servidores públicos.

 

 

Uruguai reforça medidas para conter avanço do coronavírus

 

 

As medidas para conter o avanço das contaminações no Uruguai incluem o fechamento de repartições públicas, suspensão das aulas presenciais e o fechamento dos free shops na fronteira com o Brasil. O anúncio foi feito pelo presidente uruguaio Luis Lacalle Pou, na terça-feira, dia 23 de março, e vai se prorrogar até o dia 12 de abril. Segundo informações da Agência France Press (AFP), no dia 22 de março, foram registrados 2.682 novos casos e 19 mortes. Foi descoberta a variante brasileira P1 no país, “temos uma cepa muito poderosa na capacidade de penetração e contágio: infecta 2,5 vezes mais que a outra”, esclareceu o presidente uruguaio.