Publicidade

Sobre o vice na chapa de Neto Evangelista

  • em


O PDT de São Luís deu um extraordinário exemplo de desprendimento, quando decidiu marchar com um candidato a prefeito da capital que não seja filiado ao partido. Fez isso sem que houvesse exigências de outras legendas e apesar da grande quantidade de membros do PDT com histórias de luta e de serviços prestados à população ludovicense.

 

Por trás da decisão, há algo que deve ser preservado: o legado do ex-prefeito e ex-governador Jackson Lago, um dos ícones do trabalhismo no Brasil e que juntou no seu entorno nomes da maior grandeza como Neiva Moreira, João Francisco, Maria Lúcia Telles, Reginaldo Telles, Rubem Brito, Aziz Santos, entre tantos outros.

 

Neto Evangelista, o pré-candidato apoiado pelo PDT, conseguiu emergir como uma respeitada liderança em seus três mandatos como deputado estadual. Traz consigo uma tradição: é filho do já falecido ex-vereador e ex-deputado estadual João Evangelista, cuja ação foi fundamental para a conquista dos novos tempos que o Maranhão vive, iniciados com a eleição de Jackson Lago ao Governo do Estado, em 2006.

 

O embate eleitoral deste ano em São Luís será um dos mais disputados e a distância entre a vitória e a derrota nas urnas pode depender da forma como a chapa majoritária será montada. Se é certo que o candidato a prefeito tem virtudes que o apresentam como um concorrente apto a chegar ao segundo turno (cada vez mais provável), certo também  é que o candidato a vice-prefeito não será apenas um elemento de composição,  mas precisa dialogar com a cidade, representar parte da história desta metrópole, que teve em Jackson Lago um de seus artífices e, parafraseando o poeta, transformou-se em uma de suas mais completas traduções.

 

O companheiro de chapa de Evangelista, além de falar para fora, para o conjunto da população ludovicense, precisa cativar, também, um outro público, este de caráter interno ao PDT. Trata-se de sua militância. Uma militância numerosa, aguerrida, conhecida por sua capacidade de agir de forma a definir o jogo em momentos cruciais.

 

Uma militância se mobiliza pela força de suas convicções e para mobilizar a militância pedetista nada mais forte do que a força do legado de Jackson,  que se mantém inteira, íntegra, incólume no coração e na mente de cada homem ou mulher que faz parte desse seleto agrupamento de guerreiros e guerreiras.

 

Institutos de pesquisa, através de levantamentos qualitativos, muitas vezes tentar ler o que há de mais recôndito na psicologia das multidões. No caso em questão, tal pesquisa não necessita ser feita, pois o grito contido na garganta da militância do PDT quer se expressar pela voz do Velhinho, ex-prefeito, ex-governador e comandante em chefe da nau trabalhista no Maranhão.

 

Julião Amin, ex-deputado federal (PDT-MA)
  • Compartilhe