Publicidade

Que contradição, general!

  • em



O general Santos Cruz faz profissão de fé no liberalismo e na paixão por causas sociais, ao assinar a ficha do Podemos, para tentar ser vice de Sérgio Moro. Quem acredita nessa contradição?

 

 

 

Na pátria do liberalismo, da boca para fora, como é o caso dos Estados Unidos, nada mais contrastante do que a fé liberal versus a fé social. Os choques políticos mais intensos por lá decorrem justamente do contraste entre a riqueza superconcentrada de uma minoria cada vez mais rica, exacerbada, justamente, na pandemia, quando se esperaria o contrário, com avanço da solidariedade, e uma maioria cada vez pobre e politicamente radicalizada, agravada pelo racismo.

 

 

A oferta de saúde aos socialmente excluídos é gritante na terra de Tio Sam. Garantida está a classe social que pode pagar os custos abusivos e insuportáveis. Bernie Sanders pregou em campanha nas prévias democratas uma cópia do SUS brasileiro para os americanos. Dançou.

 

 

Biden ganhou de Trump prometendo aumentar de 7 para 15 dólares/hora o salário mínimo. Nao conseguiu até o momento aprovação no Congresso nem dos republicanos nem dos democratas. Defendeu socorro monetário de quase 4 trilhões de dólares, colocando em prática teoria das finanças funcionais, para dar outro impulso à economia, a fim de alcançar poder de competição com os chineses no comércio mundial. Não alcançou nem a metade. Por conta desse visível retrocesso, Biden está mal nas pesquisas e já se fala na volta de Trump em 2024.

 

 

SÓ FACHADA, NADA MAIS

 

 

O liberalismo econômico que Santos Cruz defende, apaixonadamente, mas que, na verdade, nao é seguido, pragmaticamente, sequer nos Estados Unidos, é carta fora do baralho no capitalismo cêntrico, de forma mais decisiva, desde o crash de 2008. De la para cá, os bancos centrais têm ampliado a oferta monetária para segurar os juros em zero ou negativo. Caso contrário, a dívida pública, que já supera a casa dos 100% do PIB, há muito tempo teria arrebentado a boca do balão, gerando novos crashs. Ainda, na semana passada, Japão e Estados Unidos anunciaram ampliação do endividamento público em escala considerável para manter congelada a taxa de juros.

 

 

LIBERALISMO DE FACHADA

 

 

Dívida pública não se paga, renegocia-se, já dizia o falso liberal Adam Smith, no século 19, enquanto recomendava tributos crescentes sobre exportações e decrescentes sobre importações, como arma para erguer o imperialismo inglês. Portanto, o papo furado do general Santos Cruz é, tão somente, conversa para boi dormir, ou melhor, para satisfazer a Casa Branca, maior aliada da candidatura à qual Cruz se aliou, rapidamente, para ajudar a rifar Bolsonaro.

 

 

DISSIDÊNCIA BOLSONARISTA

 

 

Os militares dissidentes do capitão presidente defendem, portanto, a mesma politica econômica de Paulo Guedes que já acumula mais de 15 milhões de desempregados e uma inflação galopante de 2 digitos, sem nenhuma expectativa de redução capaz de promover retomada sustentável da economia. Moro, ligado, umbilicalmente, a Tio Sam e ao mercado financeiro especulativo, assessorado pelo economista Afonso Celso Pastore, pregador da privatizacao da Petrobrás e defensor do teto neoliberal de gastos, que sinaliza paralisia macroeconomica assustadora em 2022, não cultiva nada de social, mas, apenas, o caos neoliberal em que o pais se encontra. Os generais, como Santos Cruz, fazem oposicao a Bolsonaro apenas de fachada. No fundo fecham com Tio Sam. Se não der certo a cruzada com Moro, carente do apoio das massas, como admiitiu o general vice presidente Mourão, darão meia volta volver, para retornar aos braços de Bolsonaro, a chance real da ultra- direita, abalada pela crise econômica neoliberal da qual o mundo foge, pois sua vocação é o fascismo.

 

 

 

(*) Artigo de César Fonseca, jornalista, atua no programa Tecendo o Amanhã, da TV Comunitária do Rio e edita o site Independência Sul Americana. Publicado, originalmente, no sua timeline no Facebook/Meta

 

 

 

 

 

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *