Publicidade

Quarenta e cinco dias, lições para a vida e a sede de lutar sempre mais

  • em



As andanças que fiz Distrito Federal (DF) afora, nos 45 dias de campanha eleitoral, renderam lições para a vida toda. Sempre estive junto ao povo; é o lugar a que pertenço. Mas, pela primeira vez, percebi, de forma clara e direta, a esperança que esse povo deposita em quem escolhe concorrer a um mandato parlamentar.

 

Nunca havia me apresentado ao povo do DF como candidata a senadora ou a qualquer outro cargo político. Ouvi muitos pedidos de ajuda, tendo a fome e o desemprego como uma das principais pautas. Mas também vi sorrisos largos ao dar abraços e rostos iluminados pelo simples fato de posar lado a lado para a fotografia. A falta do que comer mata. Mas a invisibilidade imposta pelo sistema a quem mais sofre é, na mesma medida, cruel.

 

Também foi nessas andanças que me indignei com quem tem a desfaçatez de se apresentar a este povo que sofre para prometer, para distribuir abraços; mas tudo isso não passar de uma encenação. Como alguém tem a capacidade de olhar profundamente nos olhos de outra pessoa que acredita em você – muitas vezes porque crer é a única coisa que resta – e depois fazer exatamente o oposto do que traria dignidade para essa pessoa?

 

É difícil aceitar, mas isso acontece, e das formas mais canalhas possíveis. Uma das mais perversas é com a utilização da crença individual. Crença essa que em milhares de lares é o único sentimento que consegue ser mantido vivo para dar firmeza a uma mãe de cinco filhos famintos, moradora de um barraco de um cômodo, desempregada e vítima de violência do próprio marido. Brincam com o Deus que ela acredita, trapaceiam com ele, e tentam minar a única coisa que a acalenta. O que mais dói é que o ato vil é feito também por mulheres, que se apresentam ali em nome do Cristo.

 

Como professora, não contive as lágrimas ao ver crianças vestindo o uniforme da escola pública não para ir estudar, mas para pedir trocados no sinal e ajudar a levar a sobrevivência para dentro de casa. O projeto de desemprego e de miséria colocado em prática pelo governo federal e apoiado pelo GDF tirou o direito de crianças de brincarem, de se dedicarem aos estudos, de sorrirem; de serem crianças. Um projeto obsceno, que mira na educação pública por ela ser pilar da construção de um mundo mais justo.

 

Nessas muitas horas de andança pelo DF, vendo o quanto nosso povo é relegado à própria sorte, e o quanto ele resiste, me recriei. Tomei fôlego para muitas outras jornadas por perceber que a esperança mobiliza para recriar do mundo. Essa foi minha maior vitória, algo que nenhuma outra conquista traria.

 

Saí determinada a lutar por aquilo que me moveu a concorrer a uma cadeira no Senado Federal. Orgulhosa sim dos meus 356.198 votos. Mas acima de tudo, fortalecida!

 

Como mulher, quero lutar pela conscientização política e mostrar que é uma correção histórica eleger mulheres, mas aquelas progressistas.

 

Como cristã, quero dar um basta ao fundamentalismo religioso que oprime, discrimina e mata.

 

Como mãe, quero que todas as famílias possam ter o que comer, onde dormir, um local de trabalho que assegure direitos e um Estado forte, com serviços públicos eficazes e eficientes.

 

Como professora, quero, mais do que nunca, lutar pela educação pública de qualidade e valorizada, que recria o mundo ao emancipar oprimidos.

 

Como brasileira, quero lutar pela nossa gente e pelo nosso Brasil.

 

Não há tempo para desesperança. Toda força é imprescindível para o momento que não pede a reconstrução do país, mas a construção de um Brasil que seja, finalmente, de todas as gentes.

 

Dia 30 de outubro, meu voto é em Lula para presidente da República. Definitivamente, neste momento, é ele que pode impulsionar a guinada que todos nós queremos. Mas tenhamos certeza de que esse giro de 180° depende, sobretudo, de nós, da nossa luta e da consciência de classe que deve nos guiar. Que sigamos sempre do lado certo!

 

(*) Por Rosilene Corrêa, diretora da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Central Única dos Trabalhadores (CUT Brasil)




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *