Publicidade

“Projeto de Nação” prevê ditadura militar, fim da democracia, privatização do SUS e da educação pública

  • em



Na semana passada, generais e outros militares das Forças Armadas, ligados ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao vice, Hamilton Mourão, lançaram um documento com o título “Projeto de Nação – O Brasil em 2035” com o qual eles traçam um projeto de ditadura militar para o Brasil a começar deste ano. Com 93 páginas, o documento desenha um aparato de estrutura político-estratégica que elimina a Constituição de 1988 e prevê o fim da democracia.

 

Na avaliação do Sinpro-DF, trata-se de um documento com graves ameaças às eleições de 2022 e que precisa ser combatido porque rompe com a normalidade democrática, institui a ditadura militar, o autoritarismo e a repressão; elimina direitos trabalhistas; privatiza patrimônios públicos; mercantiliza direitos fundamentais e humanos contidos na Constituição; e, sobretudo, extingue a democracia.

 

Assinado por três organizações militares, o documento foi lançado, na quarta-feira (19), em Brasília, com apresentação do Regimento da Cavalaria de Guardas e com a música “Eu te amo, meu Brasil”, uma música insistentemente tocada nos veículos de comunicação nos anos 1970 para ditadura militar, instalada no País pelo golpe de 1964.

 

 

CNTE avisa que projeto prevê a privatização da educação básica e superior

 

Na avaliação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), “o projeto é reacionário, com o pensamento voltado apenas para as classes dominantes e não prevê um projeto de nação”. Para a entidade, o conteúdo mostra, claramente, que se ele for implantado terá um imenso impacto negativo na educação básica e superior porque aprofunda as medidas neoliberais impostas ao Brasil pelo golpe de Estado de 2016.

 

“É a continuação e o aprofundamento das medidas neoliberais que já vêm ocorrendo no Brasil e em outros países da América Latina, principalmente, sobre educação básica e superior. Se na educação superior pública eles aprovam e querem a cobrança de mensalidade, a educação básica, segundo o projeto dos militares, passa pela privatização e mercantilização ainda mais profunda, portanto, só vai ter acesso à educação no Brasil quem tiver condições financeiras”, denuncia Luiz Carlos Vieira, diretor de Imprensa e Divulgação da CNTE.

 

Os militares projetam privatizar o Sistema Único de Saúde (SUS) até o ano de 2025, ou seja, daqui a 3 anos, o País não terá mais saúde pública e sim, somente, privada. O professor Vieira afirma que é um plano para dar continuidade ao bolsonarismo, diante do que está colocado, a esse pensamento que une o neoliberalismo, o conservadorismo e a fakenews, com tendência ditatorial e que tem alguns apoiadores no Brasil. “Porém, sabemos que o processo eleitoral deste ano está muito perto, que essa visão que eles colocaram no documento não terá condições de fazer a sua propaganda de fato e convencer a população brasileira de que essa é a saída proposta por eles. Se, de fato, for implantado, é o fim da democracia e dos processos eleitorais brasileiros, não só o deste ano. As eleições brasileiras passarão a ser mera formalidade. O que está colocado claramente é que aquilo que os militares chamam de democracia nada mais é do que uma ditadura militar disfarçada”.

 

Vieira assegura que o projeto piora também a vida de todos os trabalhadores. “Ele não traz nenhuma melhoria para o mundo do trabalho. Não vem criar mais empregos, não vem criar renda básica, não vem dar mais oportunidade àqueles que hoje estão desempregados, que são milhões, no Brasil. Esse projeto vem para aprofundar a desigualdade, colocar a meritocracia como base para algumas camadas sociais continuarem tendo privilégios dentro do mundo do trabalho e esse impacto será bem mais profundo porque isso vai gerar muito mais desempregados, sem contar que o acesso à educação, que pode minimizar e dar as condições para que haja uma disputa honesta e um lugar para muitos trabalhadores de hoje, que, apesar de ser muito excludente, ainda oportuniza espaços para que as pessoas disputem uma vaga no mercado de trabalho, isso será ainda mais difícil”, afirma.

 

O diretor da CNTE explica, ainda, que “a classe trabalhadora terá muito mais dificuldades se esse projeto, que eles chamam de projeto de nação, for implantado. O que eles chamam de projeto de nação é de nação para eles que se dizem classe dominante e para aqueles se colocam como donos do poder”.




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *