Os professores e orientadores educacionais decidiram manter o indicativo de greve diante da insuficiência da atuação do Governo do Distrito Federal (GDF) para suavizar o risco de contaminação e proliferação da Covid-19 nas escolas públicas com o retorno presencial às aulas. A deliberação foi feita em assembleia virtual realizada na quinta-feira (11), por mais de 78% dos participantes.

 

 

A assembleia ainda aprovou a adesão da categoria do magistério público do DF ao Dia Nacional de Greve contra a Reforma Administrativa, agendado para 18 de agosto. Além disso, também foi reafirmada a realização de assembleia geral com indicativo de greve no dia 30 de agosto, prevista no Calendário de Alerta e Monitoramento aprovado na assembleia do último dia 30 de julho.

 

 

“Ainda estamos vivendo a pandemia, e o momento requer muita responsabilidade de todos nós. Aliás, responsabilidade é o que não falta à categoria desde o primeiro dia de pandemia”, disse a diretora do Sinpro-DF Rosilene Corrêa. Ao orientar a aprovação do encaminhamento da diretoria do Sinpro-DF, ela reforçou, “não seria em um momento tão crítico como este que estamos vivendo que nosso Sindicato não reconheceria o que a categoria quer”.

 

 

No esforço de garantir condições adequadas para assegurar a saúde física e psíquica de quem frequenta as escolas em plena pandemia, Rosilene reforçou a importância do Comitê de Monitoramento de Retorno às Aulas Presenciais na Rede Pública de Ensino do Distrito Federal, criado pela Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), e integrado pelo Sinpro, OAB, Fiocruz e diversas organizações da sociedade civil. O mecanismo tem como objetivo verificar a oferta de estrutura, materiais e recursos humanos pelo GDF para o cumprimento dos protocolos de segurança nas unidades escolares. “É essencial que todas as pessoas que frequentam as escolas sejam fonte de informação do Comitê de Monitoramento”, disse a dirigente sindical.

 

 

A presidente da CESC da Câmara Legislativa, deputada Arlete Sampaio (PT), participou da assembleia e informou que a visitação do Comitê de Monitoramento às escolas iniciará nesta sexta-feira (13). “A ideia é dividir o grupo para que possamos ter vários agentes fazendo essas visitas e verificando se os protocolos de segurança sanitária estão sendo cumpridos nas escolas”, afirmou. Segundo a parlamentar, o Comitê se reunirá com a Secretaria de Educação na próxima quarta-feira, 18 de agosto. “Não basta estar vacinado. Normas de segurança sanitária precisam ser cumpridas”, ponderou a deputada.

 

 

Os relatos e as denúncias referentes à falta de cumprimento de protocolos de segurança nas escolas poderão ser feitos por qualquer membro da comunidade escolar. Para isso, basta acessar a linha direta com o Sinpro-DF pelo WhatsApp (61) 99959-0105 ou com a CESC/CLDF pelo o WhatsApp da (61) 98450-8155. Também é possível entrar em contato com o Comitê pelo e-mail cesc@cl.df.gov.br.