Publicidade

Privatização da Eletrobras causará tarifaço na conta de luz, desemprego e novos apagões

  • em



O governo Bolsonaro está encaminhando mais um ataque ao povo brasileiro e à soberania do país: a privatização da empresa federal Eletrobrás. Atualmente, 62% das ações da companhia são de controle estatal e a proposta é entregar essa porcentagem para o capital internacional. A consequência será o aumento de aproximadamente 20% nas contas de luz da população pelo período de 30 anos.

 

 

VENDER A ELETROBRÁS SIGNIFICARÁ A PRIVATIZAÇÃO DE 125 USINAS DE GERAÇÃO (51.125 MW), SENDO 80% DE BASE HIDRÁULICA, 71.000 QUILÔMETROS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO E 366 SUBESTAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA. SEU PATRIMÔNIO É AVALIADO EM QUASE R$ 400 BILHÕES, MAS O GOVERNO PREVÊ ARRECADAR APENAS CERCA DE R$ 61,25 BILHÕES COM A SUA VENDA.

 

 

A maior parte das usinas da Eletrobrás vendem sua energia a um custo menor que as empresas privadas. Os dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) revelam que o preço atual de venda da energia produzida por suas hidrelétricas é de R$ 65,30/1.000 kWh, enquanto as usinas privadas cobram o valor de mercado, que é em média R$ 250,00/1.000 kWh. Ao se privatizar a Eletrobrás, esta será autorizada a vender sua energia mais cara (preço de mercado) e repassar essa diferença de R$ 185,00/1.000 kWh para os consumidores nas contas de luz em aumentos futuros. Será permitida também uma nova concessão de propriedade de 30 anos – que irá até 2051 – e serão revisados todos os preços finais da energia das usinas privatizadas. Toda diferença do valor por kWh (e mais o prejuízo que o governo terá na privatização) serão integralmente transferidos nas tarifas finais dos consumidores residenciais.

 

 

A própria ANEEL em estudo interno anterior previa que, se fosse privatizada, as tarifas teriam em média 16,5% de aumentos nacionais. O “tarifaço”, porém, será bem maior. A privatização da Eletrobrás significa um ataque e um crime financeiro dos mais cruéis, que penaliza ainda mais o povo brasileiro neste momento de crise sanitária e econômica, implicando na perda completa da soberania nacional sobre o setor elétrico brasileiro. Isso irá resultar em aumentos abusivos nas contas de luz, desemprego, dificuldade de retomada da economia no pós-pandemia, perda de qualidade do serviço, possíveis desastres ambientais e novos apagões.

 

 

Para aprovar a privatização no Congresso, o acordão do governo prevê destinar R$ 8,75 bilhões para “investimentos” em três projetos de dez anos de duração (norte, nordeste e sudeste), que serão administrados por “Comitês Gestores” indicados pelo “Poder Executivo Nacional”. Esta é a estratégia para comprar as bancadas parlamentares para votar a favor do entreguismo bolsonarista. Mais R$ 3,5 bilhões vão subsidiar os donos de termelétricas a combustíveis, R$ 25,5 bilhões serão repassados aos cofres da União e outros R$ 25,5 bilhões serão transferidos em cotas anuais por 30 anos à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para uma suposta “modicidade tarifária” – na prática, um recurso que será usado para subsidiar os agentes empresariais controladores do setor elétrico nacional. Ou seja, essa é uma espécie de devolução do dinheiro ao setor privado que controla a eletricidade do país.

 

 

ESTE PROCESSO É UM VERDADEIRO SAQUEIO E PILHAGEM DE PATRIMÔNIO PÚBLICO, QUE TEM OBJETIVO DE PRIVILEGIAR OS PRIVILEGIADOS QUE SUSTENTAM ESTE GOVERNO. O POVO BRASILEIRO SERÁ A GRANDE VÍTIMA E NÃO PODE ACEITAR TAMANHA AGRESSÃO AO PAÍS.

 

 

Está errado entregar a energia ao controle privado. É necessário um amplo processo de resistência e de luta de todos para derrotar até o fim e a fundo essa política energética em curso, liderada por um governo entreguista com características neofascistas. É necessário construir algo melhor, com soberania, distribuição da riqueza e controle popular.

 

 

 

 

Reprodução https://mab.org.br/

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *