Publicidade

Presidente do Senado defende privatização da Eletrobrás e fecha o Twitter para o público

  • em



Após a aprovação, com alterações, da MP 1.031/2021, que permite a privatização da Eletrobras, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou que o Plenário da Casa entendeu que a capitalização vai ser benéfica. Aprovada pelo Plenário nesta quinta-feira (17) na forma de um projeto de lei de conversão (PLV 7/2021), a matéria agora volta para a Câmara dos Deputados.

 

 

Com perfil no Twitter fechado, ele não permitiu ao povo brasileiro se manifestar contra a sua opinião sobre a entrega de uma das maiores empresas de energia do mundo e a única a assegurar a soberania do Brasil no setor energético.

 

 

“Posições divergentes, muitas antagônicas, em relação a diversos pontos desse projeto, disputas muito apertadas nas votações que aconteceram, tanto dos pressupostos quanto do mérito do parecer e ainda dois destaques apreciados, todos por votação nominal e votações apertadas. Mas, no final, se aprovou a MP para capitalização da Eletrobras, mantendo-se obviamente o patrimônio brasileiro, da União como a maior acionista, permanecendo com a golden share, a possibilidade de veto das decisões estratégicas, e com a boa perspectiva de capitalização de uma empresa que precisa se tornar competitiva. Essa foi a lógica do Senado Federal ao apreciar essa matéria”, afirmou Rodrigo Pacheco.

 

 

O presidente do Senado lembrou que a sessão havia começado nesta quarta-feira (16), foi suspensa e então retomada e concluída na noite desta quinta-feira. Foram cerca de 10 horas de debates e votação.

 

“A sessão de hoje foi um desdobramento da sessão de ontem, que foi suspensa em razão da complexidade do tema que apreciávamos. Houve a necessidade de um maior tempo aos senadores e senadoras para a absorção daquilo tudo que foi feito pelo parecer do senador Marcos Rogério [DEM-RO], relator da matéria, que realizou um belo trabalho, muito profundo em relação a esse tema. Tivemos, portanto, a sessão mais longa da história do sistema remoto do Senado Federal para a deliberação dessa Medida Provisória 1.031”, acrescentou.

 

 

Para os movimentos sociais, o presidente de Senado só deixou de citar os prejuízos  e publicou uma lista, primária, de graves prejuízos imediatos que a privatização da Eletrobrás vai causar no Brasil.

 

 

 

 

 

Nas redes sociais também, o público protestou e mostra que o Senado  vai contra a opinião do povo. Nas redes sociais, os brasileiros manifestam sua repugnância contra essa votação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *