Publicidade

Predadores do futuro na Câmara

  • em



Na Câmara, 68% dos deputados votam e atuam contra o meio ambiente e indígenas

 

 

 

A agência de jornalismo Repórter Brasil divulgou recentemente um ranking sobre a atuação da bancada ruralista na Câmara dos Deputados, o Ruralômetro 2022, que é também uma ferramenta muito útil para os eleitores saberem quem são os responsáveis pela destruição ambiental no Brasil.

 

 

É uma radiografia de um dos setores mais empenhados na sustentação do governo Bolsonaro, como mostrou, aliás, o deprimente desfile de tratores na Esplanada, no 7 de Setembro. O Ruralômetro chegou ao número de 351 deputados —68% da Câmara— que votam e atuam sistematicamente contra o meio ambiente e os interesses de indígenas, quilombolas e trabalhadores rurais.

 

 

Os deputados dos partidos Novo, PTB e PL (partido de Bolsonaro) formam a linha de frente nas votações contra o meio ambiente e os povos do campo. No recorte por estado, os campões da bancada do boi são de Santa Catarina, Amazonas, Mato Grosso e Roraima, não por acaso, estados fortemente bolsonaristas.

 

 

Muitos parlamentares são infratores ambientais ou receberam doações de violadores de leis ambientais e trabalhistas. Para rastrear a bancada da devastação, a pesquisa analisou 28 votações e 485 projetos de lei apresentados por suas excelências. E também cruzou os nomes com dados do Ibama, do Ministério do Trabalho e do TSE.

 

 

A agenda ruralista favorece o latifúndio e os domínios de servidão quase feudal de um setor concentrador de renda, favorecido por benesses fiscais e que emprega bem menos do que apregoa. Uma realidade a anos-luz de distância do “green washing” onipresente na mídia.

 

 

Em contraposição a essa rede de predadores, há uma vibrante articulação de indígenas, quilombolas, pesquisadores e cientistas comprometidos com a agenda climática e a proteção dos nossos recursos naturais.
Eles estão lançando candidaturas, em todo o Brasil, para assembleias legislativas e para o Congresso. Precisamos ser representados por guardiões da vida. Chega de exterminadores do futuro.

 

 

(*) Cristina Serra, paraense, jornalista e escritora. É autora de “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil”. Formada em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense.

 

 

Fonte: Coluna Cristina Serra, Folha de S. Paulo, 10/09/2022.

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *