Publicidade

Polícia identifica bolsonarista que jogou explosivo em ato com Lula no Rio de Janeiro

  • em



André Stefano Dimitriou Alves de Brito, de 55 anos, foi detido logo após o atentado na Cinelândia. Ele foi autuado pelo crime de explosão, que prevê pena de prisão por até seis anos

 

 

André Stefano Dimitriou Alves de Brito, de 55 anos, essa é a identidade do apoiador de Jair Bolsonaro (PL) que atirou um artefato explosivo contra o ato político com a presença de Lula (PT) na Cinelândia, no Rio de Janeiro, na noite desta quinta-feira (7).

 

Ele foi autuado pelo crime de explosão, previsto no artigo 251 do Código Penal, que prevê de três a seis anos de prisão além de multa, segundo o delegado Gustavo de Castro, titular da 5ª Delegacia de Polícia do Rio, em Mem de Sá.

 

A Polícia Civil fluminense também divulgou foto do bolonarista, sem dar maiores detalhes e sem informar se ele continua preso. Segundo informações da ocorrência, o homem não tem anotações criminais ou mandado de prisão em aberto.

 

Depoimento

 

O coquetel molotov que explodiu no ato do Lula marcou a vida de Janira Rocha. No relato que ela publicou no perfil do Facebook, ela conta que “estava com um grupo de amigos no Ato do Lula na Cinelândia, quando ao nosso lado um homem, de camisa preta, boné, todo adesivado de Lula e Freixo acende um COQUETEL MOLOTOV e atira sobre a divisória metálica que separava quem estava dentro do Ato e quem ficou por fora, em frente a escadaria da Biblioteca Nacional”.

 


Confira, o relato na íntegra:

 

 

COQUETEL MOLOTOV NO ATO DO LULA.

Estava com um grupo de amigos no Ato do Lula na Cinelândia, hoje, por volta das 18:20h, quando ao nosso lado um homem, de camisa preta, boné, todo adesivado de Lula e Freixo acende um COQUETEL MOLOTOV e atira sobre a divisória metálica que separava quem estava dentro do Ato e quem ficou por fora, em frente a escadaria da Biblioteca Nacional. Sim, jogou um COQUETEL MOLOTOV pra cima das milhares de pessoas que estavam no Ato.
Imediatamente eu e os outros começamos a gritar e o denunciar e as pessoas o agarraram e acabou salvo pela PM, que depois da confusão o conduziu a 5a DP, onde eu e mais 2 pessoas nos apresentamos como testemunhas, conduzidos também pela PM.

 

Lá o terrorista (nome dado a quem atira bombas em multidões) nos ameaçou, tentou intimidar e por fim tentou fugir correndo sendo detido diligentemente pelos policiais que lá estavam.
Voltou berrando, dizendo que era de Jacarepaguá, da Muzema e que não iria ficar ali.

 

Estava sem documentos, levou uma dura dos policiais que acabaram o identificando, conforme foto.

 

Prestamos nossa declaração, assinamos e nos retiramos da Delegacia o deixando lá. Houve um flagrante de um crime muito grave.

 

Não sei o que ocorreu dentro do Ato, se alguém se feriu, mas vi claramente que este indivíduo teve a intenção de machucar pessoas.

 

Sem entrar em maiores detalhes políticos, fizemos a nossa parte contra esses facismo que acha normal praticar crimes como este e sair a francesa.

 

Fizemos nossa parte denunciando…

 

A quem interessar possa!!!

 

https://www.facebook.com/100001265776824/posts/5477098905675581/?d=n

 


Lula ainda não estava no local no momento do atentado e ninguém ficou ferido. A informação inicial era de que uma bomba caseira foi atirada da parte de fora da área cercada em direção ao público do ato. A assessoria de Lula, no entanto, diz que o artefato era, na verdade, fogos de artifícios, e que não continha fezes como também se informou inicialmente.

 

Alves de Brito foi preso em seguida pela PM. “Um homem infiltrado no ato da Cinelândia arremessou um artefato explosivo de festas juninas para o interior da área cercada pelo palco. Ao fugir, foi detido por policiais do 5º Batalhão da Polícia Militar e conduzido para a 5ª DP”, diz comunicado da corporação, que informou ainda que 3 testemunhas acompanharam o registro da ocorrência.

 

Segurança reforçada 

 

O evento, que reuniu cerca de 50 mil pessoas, contou com um esquema de segurança próprio e reforçado para garantir a integridade do ex-presidente sem abrir mão de um ato público.

 

Grades foram instaladas na Cinelândia e um detector de metal foi utilizado para controlar a entrada do público no espaço. Não foi permitida entrada com alimentos, garrafas, embalagens plásticas e de alumínio, objetos perfurantes e vidro. Somente bandeiras com cabo de PVC foram liberadas.

 

Segundo ataque em menos um mês 

 

O explosivo lançado contra o ato de Lula na Cinelândia já representa o segundo ataque contra eventos do ex-presidente em menos de um mês.

 

Em 15 de junho, apoiadores do petista que aguardavam o início de um ato político em Uberlândia (MG) com Alexandre Kalil (PSD), ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato do governo de Minas Gerais, foram surpreendido por um drone que sobrevoou o local jogando um líquido fétido no público presente.

 

A presença do drone de pulverização – usado normalmente para agricultura – provocou uma correria no local. Segundo o jornal O Tempo, alguns militantes tentaram arremessar pedras e pedaços de pau no aparelho para derrubá-lo, mas foram impedidos por seguranças. Jornalistas também foram atingidos pelo drone.

 

O bolsonarista Rodrigo Luiz Parreira, autor do ataque, foi preso no último sábado (2) a pedido do Ministério Público Federal (MPF). Parreira, no entanto, foi preso por outro crime: aquisição irregular de arma de fogo. Ele está preso no Presídio Uberlândia 1.

 

 

Fonte: Revista Fórum com edição do Jornal Brasil Popular




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *