Publicidade

Pior mês da pandemia: novas variantes e o país devastado pela Covid-19

  • em



A notícia mais preocupante desta semana foi a descoberta de uma possível nova variante da Covid-19 em Sorocaba, município do interior de São Paulo. O governo do estado anunciou que o vírus registrado é parecido com a variante encontrada na África do Sul, o que intriga, já que o paciente não apresentou histórico recente de viagem ou contato com pessoas do país, desencadeando a possibilidade dessa variante ser uma mutação da variante brasileira P1.

 

 

 

O Brasil se transformou no maior terreno fértil do mundo para criação de novas mutações da Covid-19, podendo ser cada vez mais grave, com maior taxa de transmissão e algumas mais resistentes às vacinas que já existentes.

 

 

Infelizmente, aquilo que temíamos e anunciamos no fim de fevereiro se tornou realidade: março foi o mês mais letal da pandemia no Brasil, um verdadeiro terror com crescimento de casos e óbitos da doença no país inteiro.

 

 

Estamos batendo recordes diários na média móvel de óbitos, com mais de três mil mortes registradas em 24 horas, quase chegando a quatro mil. O descontrole está instaurado por falta de medidas concretas e eficazes na prevenção.

 

 

O que está acontecendo no país é irresponsabilidade de governantes omissos, que tem como Bolsonaro o porta-voz do negacionismo ao tentar implantar constantemente uma política de morte no país.

 

 

O genocídio em curso só será contido com vacinação para todos e todas já. Precisamos de um planejamento robusto para assegurar a vacinação priorizando, inicialmente, a população mais vulnerável, profissionais de saúde, idosos, pessoas com deficiência e com comorbidades, profissionais de serviços essenciais e da educação, mas também que assegure, no menor prazo possível, a vacinação para toda a população brasileira.

 

 

Precisamos comprar e liberar o uso emergencial de todas as vacinas comprovadas eficazes e já com uso aprovado em outros países, só assim salvaremos vidas e recuperaremos  a economia. Além de mais vacinas, é preciso garantir renda para que as pessoas não necessitem se expor à contaminação da doença e assegurar apoio – crédito e tranquilidade – para pequenos e médios empresários.

 

 

O Brasil, na pandemia de H1N1, vacinou mais de 80 milhões de brasileiros em três meses. Se tivéssemos repetido esta campanha de vacinação, já teríamos vacinado todo o grupo prioritário e evitado milhares de mortes.

 

 

No ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) ofereceu 138 milhões de doses através do consórcio Covax Facility e o Brasil aceitou o recebimento de apenas 46 milhões. O governo brasileiro precisa exigir a revisão do contrato, corrigindo um erro absurdo de Bolsonaro e que gerou milhares de mortes, para que possamos aumentar e aproveitar toda a oferta. Se o governo não quiser tomar esta atitude, temos que fazer apelo mundial a OMS.

 

 

 

Se o governo federal tivesse contratado as vacinas oferecidas e adquirido vacinas suficientes, certamente não estaríamos neste cenário devastador da pandemia.

 

 

 

(*) Alexandre Padilha é médico, professor universitário e deputado federal (PT-SP). Foi Ministro da Coordenação Política de Lula e da Saúde de Dilma e Secretário de Saúde na gestão Fernando Haddad na cidade de SP.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *