Publicidade

Pesquisa aponta que brasileiro não confia mais em Bolsonaro em tempos de pandemia

  • em


Em pesquisa realizada pelo Instituto Vox Populi, 60% das pessoas dizem que o presidente Jair Bolsonaro pensa mais nos empresários do que no bem-estar da população brasileira. O levantamento foi realizado entre 18 e 26 de abril, com 1.500 pessoas em todo o Brasil. A margem de erro da amostra é de 2,5%, com intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram realizadas por telefone. A pesquisa foi encomendada pelo Partido dos Trabalhadores e apresentada na quarta-feira (29/4), durante reunião do Diretório Nacional. É a primeira sondagem do PT sobre a crise sanitária.

 

De acordo com a pesquisa, nada menos que 64% dos entrevistados afirmam não confiar no que o presidente da República fala sobre a pandemia do coronavírus. E 53% dos entrevistados consideram que Bolsonaro está atrapalhando no combate à doença. O levantamento mostra ainda que 63% não acreditam no uso da cloroquina – o medicamento que vem sendo propagandeado pelo governo para o tratamento do Covid-19.

 

O instituto perguntou aos entrevistados se Bolsonaro tem capacidade para governar o Brasil em um momento como este que o país atravessa. E 52% responderam que o presidente não tem capacidade para liderar o país, enquanto 43% consideram que sim. Sobre o isolamento social, 66% defendem que a medida é importante para proteger a população. Também 69% avaliam que o governo erra ao não promover testes em massa.

 

O Vox Populi revela ainda que 89% das pessoas entrevistadas acham que o governo deve garantir uma renda mínima à população até que a economia se recupere e 53% acham que diante da crise, o mais correto é a prevalência de um Estado forte. E 68% dos ouvidos pelo Vox Populi avalia que o desemprego vai aumentar e 70% revelam que não têm dinheiro para se manter sem o salário que recebem.

 

O levantamento destaca que 87% avaliam que a oposição fez certo para brigar pelo pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 aprovado pelo Congresso Nacional. A pesquisa mostra que 60% sabem que foi a oposição quem garantiu o seguro quarentena, que o governo queria limitar a R$ 200, como propôs o ministro da Economia, Paulo Guedes.

 

Na percepção da maioria dos entrevistados, 75% consideram que os cortes de R$ 22 bilhões promovidos pelo governo federal no Sistema Único de Saúde (SUS) prejudicaram o país no enfrentamento da pandemia. Ainda sobre saúde pública, 47% dos entrevistados consideram que o Brasil estaria em situação melhor se os médicos cubanos ainda estivessem trabalhando no país, enquanto 39% avaliam que estaria igual.

 

  • Compartilhe