Publicidade

Perícia diz que registros de acesso a câmeras que gravaram morte de Marcelo Arruda foram apagados

  • em



Polícia Científica do Paraná emite laudo no qual sustenta que, 2 dias após o crime, houve uma limpeza nos registros do equipamento

 

 

Uma nova perícia anexada à investigação do assassinato do guarda municipal Marcelo Arruda aponta que dados de registro de acesso às imagens do ocorrido foram apagados, impossibilitando que se saiba quem teve acesso às gravações. 

 

 

O laudo, emitido pela Polícia Científica do Paraná, sustenta que, dois dias após o crime, houve uma limpeza nos registros do equipamento de gravação das imagens. Essas informações poderiam esclarecer quem teria mostrado as imagens para o policial penal bolsonarista Jorge Guaranho, denunciado pelo assassinato.

 

 

Com a “limpeza” dos registros, a identificação de quem teve acesso e comunicou o assassino durante a festa no momento, com a temática petista. Segundo o jornal Esquerda Online, a situação dificulta também que o crime seja identificado como crime político, ainda mais considerando que a posição do Ministério Público do Paraná descarta motivação política para proteger o policial bolsonarista, afirmando que se tratou apenas de um crime torpe.

 

 

O site informa que o processo, em mãos do juiz Gustavo Germando Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, desde o dia 20/7, aguarda manifestação dos advogados de defesa do assassino, que segue hospitalizado e preso preventivamente. Outro fato importante foi a morte de um vigilante do clube onde ocorreu a festa. Com acesso às imagens, ele foi encontrado morto cerca de uma semana depois, com a polícia tendo apontado a morte como suicídio.

 

 

As imagens do circuito de segurança do salão de festas em que ocorria a festa de aniversário do petista Marcelo Arruda mostram o início da discussão entre ele e Guaranho. Dentro do salão, uma câmera interna registrou o momento dos disparos contra o petista. O Ministério Público contrariou a tese apresentada pela Polícia Civil, que descartava motivação política do crime. 

 

 

Ainda segundo o Esquerda Online, a denúncia contra Guaranho foi encaminha a Justiça em julho. O processo agora aguarda a manifestação da defesa do policial penitenciário. Caso descartados os argumentos da defesa, o juiz responsável pelo caso receberá a denúncia, dando início a uma ação penal. 

 

Com informações do Jornal Nacional, Carta Capital e Esquerda Online



SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *