Publicidade

Pego no pulo o pangaré de Troia

  • em



Fracassou redondamente a tentativa do Palácio do Planalto de desmoralizar nesta quinta-feira, 1º de julho, na CPI da Pandemia, o depoimento dos irmãos Miranda, prestado na sexta-feira da semana passada. Nele os Miranda implicaram o próprio presidente Bolsonaro na maracutaia da compra da vacina indiana Covaxin.

 

 

Aqui não importa se o principal pangaré de Troia introduzido no interior da CPI é o próprio depoente, o cabo bolsonarista da PM mineira, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, ou se o seu parceiro na Davati Medical Supply, Cristiano Alberto Carvalho, que lhe passou um áudio adulterado, mostrando o deputado Luiz Miranda em uma negociação de luvas cirúrgicas e não vacinas. Um dos dois pode estar a serviço de um bolsão do bolsonarismo.

 

 

O que importa mesmo é que os senadores da CPI explodiram a versão adrede preparada de Dominguetti, obrigado a dizer no final do depoimento que foi induzido a erro por seu colega.

 

 

Houve logo quem comparasse o canhestro movimento dos bolsonaristas com a Operação Uruguai, a tentativa fabricada pelo ex-presidente Fernando Collor para justificar perante a CPI do Collorgate os seus gastos pessoais exorbitantes. A desculpa de Collor foi a de que ele havia contraído um empréstimo de US$ 3,75 milhões na república vizinha para a sua campanha eleitoral, que teriam sido convertidos em 318 quilos de ouro, adquiridos do doleiro uruguaio Najun Turner.

 

 

O mais relevante em todo o caso é que a CPI da Pandemia avançou hoje na constatação de que foi montado no Ministério da Saúde um vasto esquema de corrupção nos processos de aquisição, com recursos do SUS, de vacinas e insumos usados no combate à Covid-19.

 

 

O próprio ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, acusado por Dominguetti de propor a propina de um dólar por dose da vacina AstraZeneca, confirmou, em nota pública, que se reuniu com o lobista no restaurante Vasco, tendo sido levado até lá pelo tenente-coronel do Exército Marcelo Blanco, que havia trabalhado no ministério até o dia 19 de janeiro. Ele negou a parte do pedido da propina, mas isso deverá ser esclarecido pela CPI da Pandemia.

 

 

O oferecimento de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca pela Davati Medical Supply foi obviamente um conto da carochinha ou do vigário, a começar pelo fato de que a empresa texana jamais teve a representação do fabricante da vacina anglo-sueca Oxford/AstraZeneca, e esse não tinha estoque suficiente para atender demanda tão grande.

 

 

O que a CPI deverá levantar agora é como se organizou a organização criminosa de que participava o diretor de Logística Roberto Ferreira Dias, ao que tudo indica ligado ao deputado e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros, o mesmíssimo parlamentar que está implicado na tentativa de golpe da Covaxin.

 

 

Por que razão o presidente Bolsonaro não demitiu Roberto Ferreira Dias quando o ministro Pazuello pediu que o fizesse já no ano passado? De quem partiram as pressões para que Bolsonaro o poupasse, além do senador Davi Alcolumbre, como reportou a rádio CBN e confirmou a Folha de S. Paulo?

 

 

Está mais do que evidente que o governo Bolsonaro é corrupto até o tampo, e que os seus esquemas de ladroagem são também responsáveis pela morte de meio milhão de brasileiros.

 

 

É preciso levar em conta, sem pruridos moralistas, que grande parte das provas da bagaceira foi revelada por ex-aliados do presidente Bolsonaro, como sempre acontece, aliás, quando um governo está se esboroando.

 

 

Não importa se o deputado Luiz Miranda e o cabo Luiz Paulo Dominguetti são eles próprios bandidos. O que interessa são as evidências que esses ex-aliados do genocida estão expondo, e as gretas que eles vão abrindo no casco da canoa que está fazendo água.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *