Publicidade

Ômicron é 4 vezes mais transmissível que delta, conclui estudo

  • em



A variante ômicron da Covid-19 é 4,2 vezes mais transmissível no estágio inicial da doença do que a delta, de acordo com um estudo realizado por um cientista que assessora o Ministério da Saúde do Japão. A descoberta tende a confirmar os temores sobre o grau de contágio da nova cepa.

 

 

Hiroshi Nishiura, professor de saúde e ciências ambientais da Universidade de Kyoto e especialista em modelagem matemática de doenças infecciosas, analisou dados de genoma disponíveis até 26 de novembro na província de Gauteng, na África do Sul.

 

 

“A variante ômicron transmite mais e escapa mais da imunidade construída naturalmente e por meio de vacinas”, afirmou Nishiura na conclusão do estudo, apresentado durante uma reunião do painel consultivo do ministério na quarta-feira.

 

Há temores de que a ômicron cause um estrago ainda maior do que a delta ao redor do mundo. A Organização Mundial de Saúde Mundial alertou que a nova variante pode alimentar surtos com “consequências severas”. No entanto, o salto no número de infecções na África do Sul após o surgimento da variante ainda não lotou os hospitais, motivando algum otimismo de que a ômicron cause principalmente casos leves. Pfizer e BioNTec afirmaram esta semana que uma dose de reforço do imunizante fabricado pela dupla pode aumentar a proteção contra a variante.

O estudo de Nishiura não foi revisado por pares nem publicado em uma revista científica. A análise usou o mesmo método que o cientista aplicou em um estudo de julho publicado pela Eurosurveillance sobre a previsão de dominância da delta antes das Olimpíadas de Tóquio.

 

 

Centenas de pesquisadores em todo o mundo tentam acelerar o entendimento da ômicron, que é a mais diferenciada até agora entre as cinco variantes mais preocupantes identificadas pela OMS desde o início da pandemia.

 

 

O número de casos na África do Sul subiu rapidamente para perto de 20.000 por dia desde que o país relatou a descoberta há duas semanas. O total de infecções pela Covid no país permanecia baixo nas semanas anteriores, apesar de apenas 26% da população ter sido totalmente vacinada, de acordo com o Vaccine Tracker da Bloomberg.

 

 

“A taxa de vacinação era inferior a 30% e muitas pessoas provavelmente foram infectadas naturalmente”, disse Nishiura. “Nós precisamos prestar muita atenção às tendências futuras para ver se o mesmo acontecerá em países com elevada taxa de uso de vacinas mRNA.”

 

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *