Publicidade

Oligopólio de commodities agrícolas obtém lucros recordes

  • em



Preços altos levam a pedido por impostos extraordinários

 

Em meio à alta crescente nos preços de alimentos e aumento da fome no mundo, as quatro companhias que controlam o comércio global de grãos registraram faturamentos e lucros recordes ou perto dos mais altos já alcançados. Com a previsão de que a demanda superará a oferta ao menos até 2024, o quadro de elevados ganhos deve se manter nos próximos dois anos.

 

 

Matéria publicada nesta terça pelo jornal britânico The Guardian revela que Archer-Daniels-Midland (ADM), Bunge, Cargill e Louis Dreyfus, conhecidas como ABCD, que controlam algo entre 70% e 90% do comércio global de grãos, engordaram seus ganhos.

 

 

As três primeiras são empresas norte-americanas; a Louis Dreyfus tem sua sede na capital holandesa, Amsterdã. Todas as quatro foram fundadas entre 1818 e 1902. Com exceção da ADM, as corporações são controladas por suas famílias fundadoras.

 

 

A Archers-Daniels-Midland obteve os maiores lucros de sua história durante o segundo trimestre do ano. As vendas da Bunge aumentaram 17% ano a ano no segundo trimestre. A Cargill registrou um aumento de 23% nas receitas, obtendo um recorde de US$ 165 bilhões. E a Louis Dreyfus reportou lucros para 2021 80% superiores em relação ao ano anterior, com receitas quase 25% maiores.

 

 

Um levantamento inédito, feito por uma ONG cujo nome não foi revelado pelo Guardian, descobriu que a ADM aumentou sua margem de lucro para 4,46% no primeiro trimestre deste ano, ante 3,65% no mesmo trimestre de 2021. A margem da Cargill aumentou de 2,5% no ano passado para 3,2% este ano.

 

 

Os resultados levaram a entidades a aumentar a pressão por taxação dos lucros extraordinários (windfall tax), o que já foi anunciado, ainda que timidamente, para as empresas de energia no Reino Unido e outros países.

 

 

Apesar de quedas recentes, o Índice de Preços de Alimentos da FAO (órgão da ONU para agricultura) permaneceu 13,1% maior se comparado a julho de 2021. O valor dos cereais, especificamente, caiu 11,5% no mês passado, mas permanece 16,6% acima do preço de julho do ano passado.

 

 

Trigo, milho e soja são as três principais matérias-primas agrícolas comercializadas globalmente. No Brasil, a estatal chinesa Cofco confronta o grupo ABCD como o principal comprador de milho e soja.

 

 

Apenas 87 corporações com sede em 30 países dominam a cadeia produtiva do agronegócio em todo o planeta. São gigantes do setor de bebidas e carnes, como Coca-Cola, a AmBev, JBS e Unilever.

 

 

(*) Por Marcos De Oliveira. Diretor de Redação do Monitor Mercantil

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *