Publicidade

O poder do monopólio em rebaixar os salários

  • em



Economista e integrante do Conselho Editorial do Monitor Mercantil, Maurício Dias David recomenda a leitura do artigo “A mulher que destruiu o mito do mercado livre”, de Zachary D. Carter, publicado pelo The New York Times. Carter presta um tributo a Joan Robinson, “uma das economistas mais importantes do século 20”.

 

 

Joan Robinson concebeu uma teoria que alterou radicalmente nossa compreensão da relação entre competição e força de trabalho. A teoria anterior era “um reino de belas simetrias. A oferta e a demanda atingiram naturalmente um equilíbrio, e os trabalhadores receberam o valor preciso de quanto contribuíram para a produção. Enquanto as empresas tivessem de competir em preço e qualidade de seus produtos, os consumidores poderiam forçar os produtores a fazer melhorias, comprando produtos superiores e mais baratos de seus concorrentes. O mercado responderia aos consumidores e a riqueza da sociedade aumentaria. A cobra para este Éden era o monopólio.”

 

 

Em seu livro de 1933, The Economics of Imperfect Competition, Robinson demonstrou que um mercado competitivo não era o estado normal das coisas – era um raro “caso especial”. “A flecha mais potente na aljava conceitual de Robinson foi uma nova ideia que ela chamou de ‘monopsônio’. (…) Os compradores, observou Robinson, também podiam desfrutar dos frutos proibidos da competição imperfeita: se existisse apenas um comprador para um bem, esse comprador poderia ditar seu preço, não importando quantos vendedores estivessem competindo por suas compras. Isso foi monopsônio.”

 

 

Os trabalhadores são os vendedores de seu próprio trabalho e quase sempre enfrentam a exploração monopsonística dos empregadores, os compradores de seu trabalho. O conceito voltou com força diante das (nem tão) novas relações de trabalho. Numa decisão de 2019, o conservador juiz da Suprema Corte Brett Kavanaugh citou monopsônio contra a Apple; uma investigação recente dos democratas da Câmara concluiu que a Amazon utiliza o poder de monopsônio e que seus depósitos tendem a “diminuir os salários” dos trabalhadores.

 

 

Robinson fez parceria com outro gênio de Cambridge, John Maynard Keynes, no que se tornaria A Teoria Geral do Emprego, Juros e Dinheiro, publicado em 1936. A economista morreu em 1983 sem nunca desfrutar do reconhecimento público que seus amigos homens receberam. “Hoje, no entanto, suas ideias estão passando por um renascimento notável. Joan Robinson está, finalmente, recebendo o devido”, finaliza Zachary D. Carter.

 

 

Reprodução do Monitor Mercantil

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *