Publicidade

O genocida pestilento vai às compras para não ser julgado

  • em


Bolsonaro está em plena temporada de compras para impedir que a Câmara autorize tanto a instalação de processo de impeachment no Senado por crime de responsabilidade, como o seu julgamento no STF pelos variados crimes comuns cometidos. Em qualquer dos casos, é preciso o voto de 342 deputados/as, 2/3 do total.

 

Uma vez autorizado quaisquer dos 2 processos pela Câmara [impeachment no Senado ou julgamento no STF], o genocida pestilento é imediatamente afastado por 180 dias, prazo para que os processos sejam concluídos.

Caso não seja aprovada a PEC das Diretas, que prevê a convocação de eleições no prazo de 90 dias depois do afastamento do ocupante do cargo presidencial, assume em lugar do Bolsonaro o general Hamilton Mourão.

 

Mourão, eleito vice na eleição duplamente fraudada de 2018 – [1] por meio da farsa da Lava Jato que impediu a candidatura do Lula e [2] pela usina de fake news impulsionada via WhatsApp com o financiamento ilegal por empresários corruptos – embora aparente certa racionalidade, não é garantia de interrupção da barbárie fascista.

Na temporada de compras em plena pandemia, que o genocida pestilento continua tratando como simples “gripezinha” e “neurose” enquanto passeia de jet ski, ele já comprou o passe do agrupamento parlamentar hiper-corrupto chamado Centrão.

Com esta aquisição no atacado político, o genocida pestilento garante, provisoriamente, cerca de 200 votos na Câmara – suficientes para impedir a autorização para que seja julgado.

 

A turma do Centrão já está se refestelando em órgãos que manuseiam vultosos recursos públicos, e poderá subir o preço do passe à medida em que Bolsonaro se enfraquece, e passarão a ambicionar cargos no ministério e postos-chave de comando.

 

Com a vigência do estado de calamidade, que flexibiliza compras e contratações públicas sem licitação, é de se imaginar o tamanho da roubalheira.

Para evitar o prosseguimento de ações judiciais que pesam contra ele e que poderão fundamentar o julgamento tanto pelos crimes de responsabilidade como pelos crimes comuns, Bolsonaro também avança as compras sobre os estamentos jurídicos.

Este é o significado da oferta do cargo de ministro do STF para o atual PGR, Augusto Aras, na vaga de Celso de Mello, que será aberta em novembro.

O procurador-geral Aras joga parado, espera o prêmio cair por gravidade. Atitude bem diferente daquela do presidente do STJ, João Otávio Noronha, que na semana passada pagou antecipadamente o preço para ser ele o indicado para o STF e derrubou as decisões judiciais que obrigavam o genocida pestilento a mostrar o laudo positivo para COVID-19 [aqui].

 

O TSE, que tem todos elementos para cassar a chapa Bolsonaro-Mourão, já está no bolso do bolsonarismo há muito tempo [aqui].

 

Com omissões deliberadas, manobras, tergiversações e o que mais se possa imaginar, o Corregedor-Geral do TSE Jorge Mussi até hoje não concluiu o julgamento das denúncias citadas acima, de fraude na eleição, que causariam a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão e provocariam a convocação de novas, limpas e livres eleições presidenciais. 

 

  • Compartilhe