Publicidade

O assassinato de Marcelo Arruda, a pólis e o domos

  • em



Se ainda havia alguma dúvida de que as eleições de 2022 serão difíceis, radicalizadas (e não polarizadas), violentas e intolerantes, o último fim de semana deixou bem claro como vai ser a toada nos próximos meses.

 

O assassinato de Marcelo Arruda durante a comemoração de seu aniversário é uma frondosa árvore do Mal e da Intolerância que foi semeada, regada e fertilizada por anos a fio por vários setores da sociedade: partidos políticos, imprensa tradicional, elite são apenas alguns. O bolsonarismo foi o último desses setores da sociedade a incentivar o ódio e a intolerância, e já pegou a árvore crescidinha.

 

O papel social da escola na formação de cidadãos

 

Muito já foi dito sobre o crime (tragédias são inevitáveis; crimes são evitáveis) de Foz do Iguaçu, mas ainda há algo a se ressaltar: a importância e o papel da escola em apresentar o diferente, o discordante, e mostrar como compreendê-lo ou, ao menos, respeitá-lo.

 

Numa conjuntura em que muitos buscam transformar a escola em demônio a ser combatido e desacreditado, crimes como o de Foz do Iguaçu demonstram a importância do papel e da função social da escola.

 

O diálogo e o debate fazem parte do currículo escolar. Estão previstos em várias normas e diretrizes, nacionais e distritais. Fazem parte da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), do Plano Nacional de Educação e também do Plano Distrital de Educação.

 

É, portanto, papel do(a) professor(a) promover discussões e debates entre os estudantes, justamente para que estes aprendam a dialogar, discutir e ponderar pontos de vista. É papel desse(a) profissional mostrar à turma as diferentes opiniões e diferentes pontos de vista. E é esse(a) profissional que é censurado, silenciado, calado e tolhido em seu papel socializador pelo movimento Escola sem Partido e pela Lei da Mordaça, que supostamente defendem uma utópica “neutralidade ideológica”.

 

Durante os debates de temas considerados tabus, são esses(as) profissionais que ensinam o seu filho e sua filha a ouvir o diferente, e dialogar com ele.

 

 

Político X doméstico

 

 

Política vem de duas palavras gregas: pólis (a cidade) e tikós (assuntos, coisas, temas). Significa, portanto, os assuntos, temas e discussões a serem travados no/sobre o ambiente da cidade, no/sobre o ambiente público. Político se contrapõe a doméstico, que também se origina em duas palavras gregas, domos (o lar, a casa, a residência) e a mesma tikós que compõe a etimologia de “política”.Trata-se, então, de assuntos de âmbito particular, pessoal, privativo.

 

Marcelo Arruda estava em ambiente doméstico quando foi politicamente atacado. Isso, sim, é inadequado. Muito inadequado.

 

O que se aprende no ambiente doméstico é diferente do que se aprende no ambiente político. Assim nos ensinaram os gregos, e assim apreendemos dos pais da Democracia essa importante lição.

 

É, portanto, num ambiente socializador de sala de aula (e não em homeschooling) que os e as jovens aprendem o processo de diálogo e respeito para com o outro. É essa a ideologia que o Sinpro defende: a formação de cidadãos e cidadãs abertos(as) ao diálogo, à experiência crítica, à compreensão do diferente, à tolerância com o outro.

 

Então, é papel da escola, sim, apresentar várias ideias e pontos de vista diferentes, em temas que são tabus ou não. Trata-se de trabalho e processo de civilização de cidadãos e cidadãs. Trata-se da Educação para a Cidadania. Porque jovem criado em redoma, exposto a apenas uma visão de mundo, será adulto parcial,incompetente e inacessível ao diálogo. Será um adulto propenso ao ódio, à intolerância, e favorável ao extermínio do diferente – que, diga-se, é uma das bases da ideologia de destruição do fascismo e do nazismo, como nós todos aprendemos (ou deveríamos ter aprendido) na escola.

 

Marcelo foi vítima do ódio, da intolerância, mas foi também vítima do obscurantismo e da negação da educação e da instrução que a escola, e somente a escola, pode oferecer a um cidadão. Instrução essa que, em casos extremos como o deste fim de semana, evita que famílias sofram.

 

A diretoria colegiada do Sinpro se solidariza com a dor e com o luto da família de Marcelo, com os companheiros do Sindicato dos Servidores municipais de Foz do Iguaçu, bem como todos os companheiros do Partidos dos Trabalhadores do Paraná e do setorial estadual de segurança pública do PT-PR.

 

Marcelo Arruda, PRESENTE!

(*) Por Berenice Darc – diretora do Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores(as) em Educação (CNTE)

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *