Publicidade

O alerta que vem da Europa

  • em



Enquanto o Brasil registra médias semanais de mortes pela Covid inferiores a 300 e mesmo a 250, o que ainda é motivo de tristeza e cuidado mas pelo menos é melhor que as médias do auge da pandemia, países de seu novo epicentro, na Europa, mostram números e situações muito piores e alarmantes. A Alemanha, por exemplo, conta 50 mil novos casos diários. E a Holanda anuncia novo lockdown. 

 

No Brasil os números melhoram porque temos o SUS funcionando em todos os pontos de nosso território e índices de vacinação cada vez melhores, que superam a pregação antivacina de Bolsonaro e seus seguidores. Na Europa os números pioram, porque muita gente não se vacina ou não completa a vacinação, ou por indiferença ou negligência ou porque se deixou contaminar pela onda de desconfiança em evidente expansão.

 

É uma verdadeira insânia a recusa à vacinação na Europa tão civilizada, em complemento a recusa idêntica nos Estados Unidos, onde governadores republicanos e reacionários de dez Estados do sul e do centro-oeste impugnam nos tribunais a exigência de vacinação formulada pelo governo federal a funcionários que convivem com o público.

 

Talvez dê para entender que isso aconteça com os tais governadores, já mobilizados para as eleições legislativas do próximo ano, quando tentarão arrebatar dos democratas a maioria que têm hoje na Câmara dos Representantes e a situação de empate que existe no Senado. O ex-Presidente Trump, candidatíssimo a voltar em 2024, precisa disso e tem conseguido levar os republicanos cada vez mais para a extrema direita ou perto dela – e a recusa à vacina se mistura com outros mantras, como o aborto e o casamento gay, para mobilizar movimentos de fundo eleitoral que sabotam a luta dos Estados Unidos contra a Covid e, por extensão, a luta de outros países, inclusive o Brasil.

 

Mas não dá para entender que a mesma coisa, a recusa à vacinação, aconteça também em países europeus como a Alemanha e a Holanda, cujos governos não só não atrapalham, mas estimulam a vacinação e outras medidas contra a Covid.

 

As notícias que chegam da Europa civilizada são um alerta que o governo brasileiro não está ouvindo. Os avanços da vacinação no Brasil de pouco adiantarão se os atrasos verificados na Europa e nos Estados Unidos facilitarem uma nova onda da pandemia, talvez mutações do coronavírus que contornem os avanços científicos fantasticamente rápidos até aqui alcançados contra o vírus.

 

Já sabemos que não existem refúgios seguros contra a pandemia e que qualquer lugar do planeta em que ela se manifeste ou recrudesça é uma ameaça para todos os outros lugares. Já sabemos também que a vírus pega carona com qualquer passageiro que embarque com qualquer destino a partir de um país em alta de casos como a Alemanha. 

 

Foi assim que ele chegou ao Brasil no começo da pandemia, com um empresário de volta da China, e logo se espalhou pelo país inteiro. Embora trazido por um brasileiro com suficiente poder aquisitivo para ir à China, o maior número de vítimas que fez foi de brasileiros muito pobres. Estes, porém, transmitiram-no para outros brasileiros, pobres e ricos, demostrando que a Covid não observa separações de classe e de poder aquisitivo e que para proteger os ricos é preciso proteger também os pobres.

 

Mutações do vírus já chegaram ao Brasil e se espalharam e isso pode acontecer de novo, aproveitando a situação da Europa e a chegada do Ano Novo e do Carnaval. O governo federal, porém, não toma conhecimento dessa realidade e ainda agora põe em consulta pública o parecer contra a cloroquina cuja votação empatou na Conitec, a comissão que estuda a inovação tecnológica no Ministério da Saúde.

 

É incrível que ainda se discuta a cloroquina depois da CPI da Covid e quando a Pfizer, por exemplo, já pede autorização à Anvisa para testar no Brasil seu antiviral específico para ela.

 

E é incrível, sobretudo, que se combinem diante de nossos olhos a nada imprevista insânia de Bolsonaro com os surtos coletivos de igual insânia verificados nos Estados Unidos e na Europa.

 

(*) José Augusto Ribeiro – Jornalista e escritor. Publicou a trilogia A era Vargas (2001); De Tiradentes a Tancredo, uma história das Constituições do Brasil (1987); Nossos Direitos na Nova Constituição (1988); e Curitiba, a Revolução Ecológica (1993). Em 1979, realizou, com Neila Tavares, o curta-metragem Agosto 24, sobre a morte do presidente Vargas.

 

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *