Publicidade

O abuso do Poder Religioso: intolerável manipulação da Religião, da Fé e da Política

  • em



Estimadas amigas e estimados amigos, nos últimos meses nós da Comissão Justiça e Paz de Brasília temos nos dedicado ao tema do reencantamento da política. Inspirados e em comunhão ao projeto organizado por muitas entidades católicas denominado “Encantar a Política”, propomos a reflexão e a retomada da participaçãocidadã cristã na política, nas discussões de temas sociais e comunitários e na tomada de decisão das nossas cidades.

 

 

O “Encantar a Política” permeia nossas colunas anteriores,intervenções semanais dos Programasde Justiça e Paz,veiculados na Rádio Nova Aliança e nas redes sociais, e em nossas Conversas Justiça e Paz,mensais edisponíveis em nosso canal do Youtubecjpbrasilia. Demonstrou-se fundamental sua propagação e o apelo de convocarmos os cristãos e cristãs para retomarem sua participação na polis.

 

 

Por reconhecermos e tratarmosreiteradamente de tão importante tema é que nos dirigimos à toda coletividade para denunciar e para demonstrar nossa repulsa àqueles que abusam do poder religioso. Os que manipulam a vontade dos cidadãos, utilizando-se de símbolos e festas religiosas, de missas e de cultos, invocando a autoridade ou formação religiosa de maneira maniqueísta, tergiversando o texto sagrado com a finalidade de forçar eleitores a votarem em candidatura favorável aos próprios interesses.

 

 

Entidades da sociedade civil procuraram a Comissão Justiça e Paz de Brasília e a Comissão Brasileira Justiça e Paz preocupadas com estas manipulações e com os recentes atos violentos realizados durante as comemorações da Padroeira do Brasil Nossa Senhora Aparecida, em ataques ao Santuário Nacional deNossa Senhora de Aparecida e ao Arcebispo de Aparecida Dom Orlando Brandes.

 

 

As orientações e exortações do Papa Francisco e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB ecoam a renovação da Igreja, a paz e a solidariedade, a responsabilidade e organização da sociedade civil em respostas novas, urgentes à construção de um mundo melhor.

 

 

Em importante reunião com representantes de mais de 200 entidades da sociedade civil organizada, entre Sindicatos, Associações, ONGs, OSCIPs, somados a representantes da Igreja Católica e a lideranças do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, foi reforçada a percepção de que a intolerância religiosa jamais pode ser estimulada no país edeve ser especialmente coibidacomo estratégia político-eleitoreira. A instrumentalização e potencialização de uma “guerra santa”conduzida por lideranças religiosas provoca danos irreparáveis na democracia brasileira, dividindo famílias, incitando o ódio e estimulando atos violentos, com consequências transgeracionais.

 

 

Recentemente a Presidência da CNBB, em nota, preocupada com a manipulação religiosa para fins políticos, expressou repudio à tão nociva prática: “Lamentamos, neste momento de campanha eleitoral, a intensificação da exploração da fé e da religião como caminho para angariar votos no segundo turno. Momentos especificamente religiosos não podem ser usados por candidatos para apresentarem suas propostas de campanha e demais assuntos relacionados às eleições.” (Nota da Presidência da CNBB, 11 de outubro de 2022).

 

 

Reforçamos que tais práticas não tratam de mero desvio moral, mas de condutaslegalmente reprimidas por serem caracterizadas como abuso do poder religioso, um crime eleitoral. Os cristãos e cristãs brasileiros devem estar atentos e vigilantes, reprimindo essas atuações e a utilização de shows, cultos e missas como palanque eleitoral, que configuramo ilícito da vedação de showmício, devendo ser denunciadoscom base nos artigos24, VIII, e 37, § 4º da Lei nº 9.504/97; e art. 237 do Código Eleitoral.

 

 

A utilização de locais sagrados, de fé e profissãocomo nossos templos, casa de Deus, paranegociatas politiqueiras e interesses tacanhos é algo que envergonha toda Igreja e queafasta o povo de seu Deus, pois elimina o mais basilar elemento da cristandade, que é a Fé Pura em Cristo, verdadeira, transparente e inegociável, pois é suprema. Aoamarmos Cristo amamos a vida, e ao negociarmos Cristo repulsamos a humanidade.

 

 

Nossa Comissão Justiça e Paz segue pregando o bom uso da política, a “Política como forma sublime da caridade” (Papa Pio XI, Paulo VI, Papa Francisco), que é suprapartidária, vai muito além dos períodos eleitorais e se faz na boa vizinhança, na tolerância política e religiosa, no respeito ao próximo e é baseada no amor cristão, na solidariedade, na fraternidade e na Justiça Social.

 

 

Como se percebe, a política que defendemos, jamais poderá ser confundida com voto imposto por qualquertipo de abuso de autoridade. O Brasil superou as práticas coloniaistípicas do voto de cabresto,imposto à população mais humilde por autoridades locais que tratavam os cidadãos como seus subordinados, exercendo poderpolítico, econômico, permeado por ameaças de demissão, perseguição, excomunhão, e por diferentes tipos de violência moral, física e econômica. Tais práticas devem permanecer no passado, colocadas em páginas sangrentas da história como lição, recordandoaos cidadãos e às cidadãsdeextintos tempos nefastos.

 

 

Rogamos aos dirigentes das múltiplas religiões, que coexistem de maneira harmônica no território brasileiro, que orientem seus líderes no sentido de que os templos são espaços públicos nos quais é vedado o proselitismo político-partidário. Tal orientação está fundamentada sob o manto constitucional da laicidade do Estado, no respeito aos direitos fundamentais à cidadania, à liberdade de opinião e à autodeterminação dos fiéis.

 

 

A laicidade do Estado, princípio fundamental constitucional do qual decorre o dever estatal de proteção à liberdade e à pluralidade religiosa, como expressões democráticas fundamentais, conforme previsto na Constituição Federal, artigo 5, inciso VI, que trata da liberdade religiosa:

 

 

VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

 

 

Junto com a CNBB, recordamos o ensinamento bíblico Existe um tempo para cada coisa (Ecl. 3,1), e, como Dom Orlando Brandes, Arcebispo de Aparecida, explicitou na homilia da celebração do dia 12 de outubro de 2022, é tempo de combater, por meio da cidadania, o ódio, a mentira, o desemprego, a fome e a incredulidade:

 

 

“Maria venceu o dragão. Temos muitos dragões que ela vai vencer. O dragão, que é o tentador. O dragão, que já foi vencido, a pandemia, mas temos o dragão do ódio, que faz tanto mal, e o dragão da mentira. E a mentira não é de Deus, é do maligno. E o dragão do desemprego, o dragão da fome, o dragão da incredulidade. Com Maria, vamos vencer o mal e vamos dar prioridade ao bem, à verdade e à justiça, que o povo merece, porque tem fé e ama Nossa Senhora Aparecida.”

 

 

Nós da Comissão Justiça e Paz de Brasília ratificamos nosso compromisso com o “Encantar a Política”, reiterando orepúdio à manipulação e ao uso maniqueísta da religião para fins políticos. Somos cristãos e cristãs em ambiente democrático e devemos primar pela garantia da realização de pleito justo, legítimo e com compromisso para o bem comum. Nossa Constituição Federal de 1988 preconiza a laicidade do Estado para que toda e qualquer representação religiosa tenha a oportunidade e a liberdade de manifestação necessárias ao bem viver da fé individual e coletivamente. Todos e todas temos o dever de construção de mundo melhor, com paz e Justiça também para as religiões, de maneira que sejam reflexo das crenças verdadeiras e que haja a garantia dignidade da pessoa humana e a busca por um país mais justo, fraterno e solidário.

 

 

(*) Eduardo Xavier Lemos, Presidente da Comissão Justiça e Paz de Brasília
(**) Ana Paula DaltoéInglêz Barbalho, Vice-presidente da Comissão Justiça e Paz de Brasília




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *