Publicidade

No DF, grileiros descumprem ordem da Justiça, bloqueiam acesso e ateiam fogo na Ocupação Ana Primavesi do MST

  • em



Cerca de 300 famílias estão isoladas em área sem acesso a água e comida. Do lado dos grileiros, polícia não fez nada para impedir o avanço dos “fazendeiros” criminosos e invasores, que atearam fogo na ocupação e jogaram coquetel molotov e feriram vários trabalhadores rurais

 

 

A Justiça do Distrito Federal concedeu liminar, nesta quinta-feira (5), para que fazendeiros desbloqueiem a via que dá acesso à ocupação Ana Primavesi, localizada no núcleo rural Rio Preto, em Planaltina, cidade satélite do DF. A área foi ocupada por cerca de 300 famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no último sábado (30). O imóvel fica numa zona de intensa especulação fundiária no norte do DF.

 

Em retaliação à montagem do acampamento, um grupo de fazendeiros da região, muitos deles são grileiros e ocupantes irregulares de terras públicas, faz um cerco às famílias sem-terra, com tratores e camionetes, impedindo o acesso de água e comida, numa tentativa de forçar a retirada das pessoas.

 

Funcionários dos fazendeiros também fazem parte do grupo que bloqueia o acesso. Eles estão ateando fogo na fazenda ocupada para reprimir os ocupantes, além de soltar rojões na direção das famílias.

 

Vídeos divulgados pelo MST mostram uma densa fumaça e uma mulher idosa passando mal.

 

 

A decisão de desobstruir o acesso à ocupação é do juiz Carlos Frederico Maroja de Medeiros, da Vara de Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Fundiário do DF. Ele afirmou que nenhum particular tem direito de bloquear vias de circulação, limitando o direito de ir e vir. Ele deu até 72 horas para que as autoridades policiais façam o desbloqueio do acesso.

 

Dezenas de camionetes estão estacionadas nas proximidades da área que dá acesso à ocupação; fazendeiros também usam máquinas agrícolas para bloquear entrada da estrada vicinal, que é pública / Divulgação/MST
Dezenas de camionetes estão estacionadas nas proximidades da área que dá acesso à ocupação; fazendeiros também usam máquinas agrícolas para bloquear entrada da estrada vicinal, que é pública / Divulgação/MST

Terras públicas

Na quarta-feira (4), o juiz Carlos Maroja já havia negado a reintegração de posse pedida pelos fazendeiros. Na decisão, ele considerou que não houve comprovação de legalidade na posse.

 

:: Justiça nega pedido de reintegração de posse contra famílias do MST no DF ::

 

De acordo com a estatal Terracap, gestora das terras públicas no DF, o imóvel rural ocupado pelo MST está localizado em gleba objeto de requerimento de regularização fundiária, mas cujo requerente morreu em 2015, passando, os herdeiros, a figurarem como interessados na regularização da área.

 

Ainda em 2012, foi emitido o Certificado de Legítimo Ocupante (CLO) em benefício do homem que morreria três anos depois. No entanto, os atuais ocupantes da área são terceiros, que teriam arrendado o imóvel dos herdeiros dele. Como o contrato entre o arrendatário e a Terracap proíbe sublocação, arrendamento, empréstimo, cessão ou transferência, a ocupação atual é considerada nula pela Justiça.

 

Adonilton Rodrigues, da direção do MST no DF, conta que esta área faz parte de um complexo de médias fazendas, todas em áreas públicas vinculadas à Terracap. “Há anos estas fazendas são exploradas e vendidas ilegalmente por setores do agronegócio da região, cumprindo um papel que estimula a grilagem de terras públicas no DF”, afirma.

 

Ocupação

 

A ocupação Ana Primavesi faz parte da Jornada Nacional de Luta em Defesa da Reforma Agrária, que este ano traz o lema com o lema “Reforma Agrária Popular: por terra, teto e pão”. O nome da ocupação é uma homenagem à agrônoma austríaca radicada no Brasil e que foi uma importante pesquisadora da agroecologia e da agricultura orgânica. Ana Primavesi morreu em 2020, aos 99 anos.

 

O objetivo da ocupação, segundo o MST, é denunciar a crescente prática de especulação imobiliária por parte de grileiros no território e exigir a retomada da criação de novos assentamentos de Reforma Agrária no DF.

 

Fonte: BdF Distrito Federal

 

Foto da capa/legenda: Grupo de fazendeiros reunidos na via que dá acesso à ocupação Ana Primavesi; famílias sem-terra estão sem acesso a água e comida – Divulgação/MST

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *