Publicidade

Ninguém quer Sérgio Moro no Paraná

  • em



Do PT de Lula ao PL de Bolsonaro e o Podemos de Álvaro Dias, a impugnação do ex-juiz suspeito é quase uma unanimidade. Também está sendo impugnado seu “braço da Lava Jato”, o procurador Deltan Dallagnol, candidato a deputado federal.

 

 

O todo poderoso ex-juiz Sérgio Moro (União Brasil), ex-ministro da justiça do Governo Bolsonaro, cai em desgraça no Paraná e, juntamente com seu parceiro de “Lava Jato” Daltan Dallagnol, vira alvo de dois pedidos de impugnação de candidatura ao Senado Federal, encaminhado ao Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, unindo os dois maiores adversários nas eleições de outubro: O Partido dos Trabalhadores, de Lula e o PL do atual presidente. Os dois, que perseguiram o ex-presidente Lula, e foram declarados suspeitos de parcialidade e abuso de autoridade pelo Supremo Tribunal Federal-STF, vão afundando no pantanal de lama que criaram e viram réus também no campo político. A primeira ação foi protocolada pelo advogado Oduwaldo Calixto, de Arapongas, no norte do estado, que concorre a uma vaga de deputado federal pelo Partido Liberal (PL) e a outra proposta pelo candidato do PT, Luiz Henrique Dias da Silva, de Foz do Iguaçu.

 

Para Calixto, na ânsia de poder e cego da visão política, Moro, que agia na “era lavajatista” ignorando o devido processo legal, cometeu também as mesmas trapalhadas políticas, mudando de partidos, de estados e domicílio eleitoral para ser presidente da república. Em ambos os processos, os autores alegam que o ex-juiz não cumpriu o prazo de seis meses antes da eleição de 2 de outubro deste ano para ter seu domicilio eleitoral no Paraná, porque teria se filiado ao novo partido (União Brasil) com o domicilio transferido para São Paulo, posteriormente recusado pela Justiça Eleitoral daquele estado.

 

De acordo com as ações, quando Moro deixou o PODEMOS para ingressar no União Brasil, com a perspectiva de concorrer às eleições de presidente da república pelo estado de São Paulo, transferiu o seu Título Eleitoral, juntamente com sua esposa Rosângela Moro – que ainda mantem o domicílio. Conforme Oduwaldo Calixto, quando teve seu domicilio eleitoral rejeitado em São Paulo, no dia 9 de junho, ele ainda sustentou com vários argumentos a tese de residência e vínculo com o estado desde 2021. Portanto, argumenta o autor, “não poderá disputar as eleições pelo seu estado de origem, que ele Moro renegou”, acrescentando que ele é casado com a advogada Rosângela Moro que firmou contrato de aluguel para ambos residirem em São Paulo.

 

Para o petista Luiz Henrique, embora a certidão de quitação eleitoral apesentada por Curitiba seja datada de 15\11\2021, a verdade é que ele interrompeu essa contagem quando mudou o domicílio para São Paulo no período que vai da transferência até o trânsito em julgado da decisão que cancelou o deferimento, de forma que seu domicílio no Paraná passa a ser de 09\06\2022, não preenchendo as condições de elegibilidade, de seis meses, previsto no texto constitucional, devendo ter seu pedido de registro indeferido.

 

A denúncia foi amplamente divulgada pelo jornal Tribuna do Norte, do Paraná, que também investiga o pedido de impugnação do registro do ex-procurador lavajatista Deltam Martinazzo Dallagnol, candidato a deputado federal pelo partido PODEMOS, do Senador Álvaro Dias, por diversas irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas da União – TCU, contra ele, no comando da Força Tarefa da Lava Jato, no Paraná. Na época, Dallagnol cometeu diversas irregularidades e desvios de recursos públicos para perseguir e prender o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e outros dirigentes do Partido dos Trabalhadores, cujos processos foram todos anulados pelo STF, a Suprema Corte.

 

Hoje, o ex-presidente Lula teve seus direitos políticos restabelecidos e lidera todas as pesquisas de opinião com possibilidades de vitória ainda no primeiro turno, enquanto seus algozes enfrentam todo o tipo de dificuldades, inclusive os pedidos de impugnação acolhidos pelo Tribunal Regional Eleitoral e pelo Ministério Público: ‘É a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar”, comenta um analista político da imprensa paranaense, lembrando o bordão criado por Geraldo Vandré.

 

(*) Osni Calixto, jornalista e escritor e trabalha na Assessoria da Liderança do PT no Senador Federal

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *