Publicidade

Não é pra tanto – O ‘lockdown’ e a sociedade desesperada e consumista da cidade de São Luís

  • em


Bastou ser divulgado pelas redes sociais e pela imprensa o ‘lockdown’ (bloqueio total) na Ilha de São Luís, no fim da tarde desta quinta-feira (30), para uma multidão de consumidores fazer fila na porta dos principais supermercados da capital maranhense, causando de certa forma, aglomerações. Tudo por desespero, desinformação e ânsia de consumo por boa parte da população.

 

Talvez esse impulsivo consumidor, escravo do capitalismo, não tivesse ou ainda não tenha conhecimento que, continuarão funcionando normalmente na Ilha de São Luís, os serviços essenciais como saúde, segurança e limpeza pública. E nesse quadro também estão contidos farmácias, postos de combustível, supermercados, açougues, panificadoras e feiras livres que permanecerão abertos durante o período de lockdown, havendo apenas, a limitação no acesso de pessoas a esses centros de compras e em vias e logradouros públicos.

 

E assim, movidos pela desinformação e pelo pânico de ficarem sem alimentos em suas dispensas e geladeiras, muitos consumidores da cidade de São Luís passaram a noite de ontem nos supermercados, enchendo carrinhos e carrões de tudo em quanto, como se não houvesse os dias seguintes. O exagero foi tanto que até mesmo filas de carros se formaram nos estacionamentos destes centros de abastecimento.

 

A determinação para o lockdown é do juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos da Comarca da Ilha de São Luís, a pedido do Ministério Público do Maranhão – MPMA. A decisão judicial acatada pelo Executivo estadual envolve os municípios de São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa tem efeito a partir do dia 5 de maio por um prazo de dez dias. Esta foi a primeira situação de lockdown no Brasil.

 

Por fim, pode-se desculpar, pessoas de baixa renda que estão se aglomerando há dias nas portas de agências bancárias, por todo o país, em busca do recebimento do auxílio emergencial ou mesmo, para tirarem dúvidas sobre o referido benefício, mas ‘muvuca’ em porta de supermercado é o cúmulo! E pelo visto, boa parte desses “muvuqueiros” são da chamada “classe social esclarecida”. Imagina se não fosse…

Consumidores formaram filas nos supermercados

 

Filas de veículos seguindo para supermercado

 

Do Blog Hora Extra
O autor, Walkir da Silva Marinho, é Jornalista

 

  • Compartilhe