Publicidade

Mulheres desenvolvem oficinas para ajudar famílias carentes em Palmas

  • em



Associação de Mulheres em Ação de Palmas e parcerias se mobilizam para distribuição de cestas básicas às mulheres na região norte da capital

 

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, as famílias brasileiras vêm enfrentando grandes desafios, até mesmo de sobrevivência, é o que aponta um levantamento feito em 2020, pela empresa Bússola Social, segundo o qual, 21% dos mais pobres estão sem renda alguma.

 

 

A solidariedade brasileira é um ato que sempre está presente em todos os momentos difíceis entre a sociedade em geral, mas durante esse período de pandemia, as ações sociais fazem parte da missão de várias ONGs, Instituições e voluntários que se mobilizaram nas mais distintas regiões brasileiras para ajudar as pessoas carentes.

 

 

Em Palmas a Associação de Mulheres em Ação de Palmas (AMAP) realiza várias oficinas, entre elas está a de produtos de limpeza que é voltada para ajudar as famílias, principalmente nesse tempo de pandemia, como explica a presidente, professora Francisca Lima. “A maioria das pessoas atendidas pela Associação são mulheres que trabalham como diaristas e que agora na pandemia, a situação ficou bastante complicada pra elas, porque as pessoas não querem contratar, então, a necessidade é muito grande, daí sabemos a importância de atender essas pessoas mais carentes da comunidade”, disse ela.

 

 

As oficinas são realizadas a cada quinze dias durante a semana e aos sábados as famílias vão receber os frutos dos trabalhos desenvolvidos na Associação. Também há mobilização junto as parcerias para aquisição de cestas básicas e com isso ajudar no combate a fome.

 

 

No dia 12 de junho, após a mobilização da Associação junto às parcerias, foram entregues, para as famílias carentes da comunidade, 35 cestas de alimentos não perecíveis e 35 de alimentos perecíveis fruto de doação de voluntários independentes e das Instituições parceiras no projeto.

 

 

A presidente agradeceu o empenho das mulheres e demais pessoas voluntárias e instituições parceiras, por acreditar no projeto e ajudar no desenvolvimento das ações, principalmente essa ação das cestas que de fato vêm ao encontro das necessidades de quem realmente precisa.

 

 

“O nosso trabalho depende dessas parcerias, tanto de voluntários, quanto das Instituições como Mesa Brasil, Brasil Sem Fome, o Comitê Tocantins e os voluntários que fazem as doações pra gente pra repassar pra essas famílias e, tudo o que recebemos, a gente repassa pra quem realmente tem necessidade”, disse Francisca.

 

 

Ao receber uma cesta básica, as famílias agem de forma alegre, agradecendo as equipes que se empenham para que essas ações sejam realizadas e cheguem até às pessoas que realmente estão precisando, principalmente no atual momento, como esse de pandemia em que, principalmente as mulheres, que em sua grande maioria são diaristas e estão paradas, dentro de casa.

 

 

Em entrevista, a diarista Ana Márcia, que tem quatro filhos, falou da sua satisfação em ser contemplada e para ela “uma cesta como essas que recebemos aqui na Associação é uma grande ajuda porque já não compramos esses alimentos, aí sobra o dinheiro pagar a energia, a água e até mesmo comprar uma carne, então, sempre que tem uma cesta eu venho buscar, pois como diarista eu sei o quanto tudo isso é importante para minha família.

 

 

Além da realização de oficinas e das mobilizações para aquisição de alimentos para ajudar as famílias carentes, a Associação realiza também cursos de informática básica e o Tec-Jovem com orientações preparatórias para os estudantes que querem entrar nos cursos técnicos do Instituto Federal do Tocantins (IFTO) e ainda, atividades da biblioteca comunitária, cursos de corte costura e bioarte (artesanato sustentável com frutos do cerrado), além da oficina de produto de limpeza.

 

 

A Associação de Mulheres em Ação de Palmas foi criada em 2006 por um grupo de mulheres de várias formações, com o objetivo de organizar a luta por seus direitos. Está localizada em uma das regiões mais pobres da capital.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *