Publicidade

MST ocupa o Theatro Municipal de São Paulo com Ópera Café baseada em obra de Mário de Andrade

  • em



Ópera Café com participação do MST e artistas no Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Maria Silva/Acervo MST
Ópera Café com participação do MST e artistas no Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Maria Silva/Acervo MST

 

Na última terça-feira (3), ocorreu a estreia no Theatro Municipal de São Paulo da ópera “Café”, de Felipe Senna, criada a partir do libreto de Mário de Andrade, publicado em 1942. A obra que recebeu uma adaptação contemporânea dirigida pelo dramaturgo Sérgio de Carvalho, contou com a participação do MST, Juçara Marçal, Negro Leo, Carlos Francisco, entre outros artistas, que foram aplaudidos(as) de pé pelo público espectador.

 

Em cena, é narrado ao longo da ópera os contornos da crise de 1929, conhecida como a primeira grande depressão capitalista, que afetou o país fortemente a partir de sua dependência econômica agroexportadora da cultura do café. A dramaturgia perpassa um crítico momento da história, onde as famílias camponesas expulsas do campo protagonizam uma revolução popular.

 

 

Depois da experiência de Hans-Joachim Koellreutter nos anos 1990, esta é a segunda montagem contemporânea da ópera, que busca na cultura popular brasileira elementos rítmicos que atualizam o conceito clássico do que se conhece como ópera, manifestadas a partir das sonoridades do jongo, choro e samba, que integram parte da composição.

 

Para Douglas Estevam, do setor de Cultura do MST, a estreia da obra contando com a participação do Movimento expressa um marco na história do Theatro Municipal de São Paulo, que tradicionalmente simboliza um espaço dedicado à elite. E causa um certo estranhamento do público de modo geral, ao ver nos palcos de um dos teatros mais importantes do Brasil, a classe camponesa Sem Terra se auto representando em um teatro que todavia foi ocupado pela burguesia urbana.

 

Convidado para integrar a obra, Negro Leo comenta sobre sua participação, onde há uma quadrangulação em que ele, Juçara Marçal e Carlos Francisco entram em cena junto ao Movimento. “Então, assim, não é uma cena onde eu estou sozinho, eu preciso da força do movimento. E ter o MST na ópera Café, onde você tem no Brasil um modelo monocultor, enquanto o Movimento apontando para o outro lado, eu acho que foi uma grande sacada do Sérgio [de Carvalho].”

 

A obra conta também com a participação da Orquestra Sinfônica Municipal, do Coral Paulistano, Balé da Cidade de São Paulo e de artistas circenses. A exibição da ópera Café integra as celebrações do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, e acontece em curta temporada, até o próximo dia 8 de maio. Os ingressos para os dias 7 e 8 já estão esgotados, somente os dias 4 e 6 ainda contam com poucos lugares disponíveis para reservas no site do teatro.

 

 

(*) Por Lays Furtado da Página do MST




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *