Publicidade

MPs, Defensorias Públicas e PT vão à Justiça para que governo Bolsonaro forneça oxigênio ao Amazonas

  • em


Pedidos requerem que União providencie imediatamente transporte de oxigênio de outros estados e transfira por via aérea pacientes da rede desabastecida, entre outros itens

 

O Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Estado do Amazonas (MP/AM), o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público de Contas (MPC), a Defensoria Pública da União (DPU) e a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE/AM) apresentaram pedido de tutela de urgência à Justiça Federal para assegurar o fornecimento regular de oxigênio para hospitais e demais unidades de saúde do Amazonas e garantir o atendimento aos pacientes do estado diante da pandemia de covid-19.

 

Notícias veiculadas por diversos órgãos de imprensa apontam para o desabastecimento de oxigênio em Manaus (AM) em unidades como o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) e Serviços de Pronto-Atendimento (SPAs). O crescente número de casos registrados e o aumento no número de óbitos – cerca de 200 mortes em um único dia, muitas delas decorrentes de covid-19 – são sinais do momento crítico por que passa o estado.

 

Em reuniões realizadas com o Poder Executivo e órgãos de fiscalização em Manaus, verificou-se que somente aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) teriam condições de realizar o transporte de oxigênio líquido de estoques disponíveis em outros estados, pois o material é inflamável e volátil, incompatível com a estrutura de aviões comerciais.

 

Na manhã desta quinta-feira (14), os órgãos foram informados que a aeronave destinada ao transporte do oxigênio apresentou problemas que necessitam de reparo e houve paralisação no fluxo emergencial de fornecimento do insumo para o estado. Por outro lado, a empresa White Martins, responsável pela maior parte do fornecimento de oxigênio, informou que não possui logística suficiente para atender à demanda atual.

 

Os órgãos explicam, na ação, que a União – responsável legal por coordenar as atividades relacionadas às políticas públicas de saúde – não apresentou solução para contornar a situação, seja com o reparo da aeronave ou com a disponibilização de outra equivalente. “O Estado do Amazonas tem solicitado apoio de outros estados para o fornecimento do oxigênio, conforme documentos anexos. Contudo, esbarra na necessidade da devida assunção da responsabilidade pelo transporte, cabível à União. Por outro lado, enquanto não resolvida a situação, devem os entes federativos proverem formas de resguardar a vida dos pacientes, caso necessário com transferência para outros estados”, afirmam, na ação cautelar.

 

Medidas emergenciais nacionais – Os autores da ação pedem que a Justiça obrigue a União a apresentar, imediatamente, plano para abastecimento da rede de saúde do Amazonas com oxigênio, promovendo a transferência dos pacientes da rede desabastecida para outros estados, deixando no Amazonas apenas o quantitativo que possa ser atendido pelo sistema local.

 

O pedido inclui ainda a identificação, por parte da União, de cilindros de oxigênio gasoso em outros estados que possam ser transportados por via aérea e requisite o suficiente para abastecer as unidades da capital e do interior. A requisição deve ser feita também para oxigênio líquido em outros estados e na indústria, para transporte para o Amazonas.

 

O MPF, o MP/AM, o MPT, o MPC, a DPU e a DPE pedem também que a União seja obrigada a identificar e reativar, imediatamente, as usinas localizadas no Amazonas para produção de oxigênio utilizável nas unidades de saúde, além de assegurar a implantação de miniusinas de produção de oxigênio disponível na indústria nacional em todas as unidades de saúde da rede estadual do Amazonas.

 

Caso a Justiça acate os pedidos da ação, a União deverá ainda reconhecer, imediatamente, a relevância das medidas de isolamento social e restrição de atividades determinada pelos governos locais no Amazonas, fornecendo o suporte necessário às autoridades locais para implementação de suas decisões, inclusive com o envio da Força Nacional.

 

A ação inclui também pedido para que o governo estadual forneça todo o suporte material e humano necessário para implementação das medidas de coordenação determinadas à União, inclusive com a inclusão e pagamento de tratamento fora de domicílio (TFD) aos pacientes que necessitem ser transferidos a outros estados.

 

A ação tramita na 1ª Vara Federal no Amazonas, onde aguarda julgamento.

 

PT recorre ao STF

 

O PT acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para exigir que o governo federal garanta oxigênio, mobilize a Força Nacional para reforçar a segurança pública da cidade e mobilize médicos de outras regiões para atender a população de Manaus. “Em caráter de urgência, estamos cobrando medidas do governador, prefeito e governo federal para atender a população”, afirmou o deputado José Ricardo (PT-AM).

 

“O colapso da saúde em Manaus era uma tragédia anunciada”, afirmou o deputado e ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha (PT-SP), advertindo para a gravidade do agravamento da pandemia em Manaus. Padilha lembrou que o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, esteve na cidade recentemente para acompanhar a explosão de casos e mortes pela Covid-19 na capital e prometeu que garantiria tudo o que fosse necessário. “Mentira. Centenas de pessoas aguardam leitos e, quando conseguem, não têm oxigênio”, denunciou Padilha.

 

No pedido ao STF, o PT solicita que o ministro Lewandowski determine:

 

– Que o Ministério da Saúde garanta em 24 horas o abastecimento de oxigênio e outros insumos necessários ao atendimento dos internados nos hospitais de Manaus;

 

– A decretação de lockdown em Manaus, com exceção dos serviços essenciais;

 

– Que a Força Nacional seja utilizada em Manaus para garantir e auxiliar na segurança pública para decretação de lockdown;

 

– Convocar médicos dos Programas Mais Médicos e Mais Médicos para o Brasil para o Estado do Amazonas, inclusive com possibilidade para médicos brasileiros formados no exterior, conforme estabelecido pela Lei 12.871, de 2013.

 

Com informações do MPF e do PT
  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *