Publicidade

Mostra Cinema Político Argentino começa nesta segunda (18), online e gratuito

  • em


O Grupo de Pesquisa e Extensão Cinema e Memória na América Latina, da Universidade Federal Fluminense (UFF), promove, de 18 a 31 de janeiro, dezessete exibições de filmes políticos argentinos por meio do canal no YouTube (Grupo Cinema e Memória). Os títulos ficam disponíveis diariamente, a partir das 20h até às 19h do dia seguinte.

 

Programação completa e inscrições clique aqui

 

 

Essa mostra permeia a história política argentina na segunda metade do Século XX. A atividade contará com a participação de dois convidados especiais para um debate a partir dos olhares histórico e cinematográfico: Dia 23/1, Norberto Ferreras; e 30/1, Fabián Nuñez.

 

Programação

 

18/1 – “A Hora dos Fornos” – Fernando E. Solanas e Octavio Getino (“La Hora de Los Hornos” – Parte 1: “Neocolonialismo y Violencia”, Argentina, 1968, 95 min, leg em português). Trailer: https://bit.ly/3p34m9K

 

19/1 – “A Hora dos Fornos” – Fernando E. Solanas e Octavio Getino (“La Hora de Los Hornos” – Parte 2: “Acto Para la Liberación”, Argentina, 1968, 120 min, leg em português)

 

“A Hora dos Fornos” – Fernando E. Solanas e Octavio Getino (“La Hora de Los Hornos” – Parte 3: “Violencia y Liberación”, Argentina, 1968, 45 min, leg em português) – Trailer: https://bit.ly/35Nojd9

 

20/1 – “Nazión” – Ernesto Ardito (Argentina, 2011, 110 min, leg em inglês). Trailer: https://bit.ly/3srst4p

 

21/1 – “Operación Masacre” – Jorge Cedrón (Argentina, 1973, 115 min, sem leg)

 

22/1 – “Los Traidores” – Raymundo Gleyzer (Argentina, 1973, 113 min, leg em inglês) -Trailer: https://bit.ly/3bPasXF

 

23/1 – “Seré Millones” – Fernando Krichmar, Omar Neri e Mónica Simoncini (Argentina, 2013, 103 min, leg em português) – Trailer: http://bit.ly/39HbKRM

 

24/1 – “Las AAA Son las Tres Armas” – Jorge Denti (“Las AAA Son las Tres Armas: Carta Abierta de Rodolfo Walsh a la Junta Militar”, Argentina, 1977, 20 min, leg em inglês)

 

“Raymundo” – Ernesto Ardito e Virna Molina (Argentina, 2002, 127 min, sem leg) – Trailer: https://bit.ly/3svCX2p

 

25/1 – “Resistir” – Jorge Cedrón (Argentina, 1978, 71 min, sem leg) – Trailer: http://bit.ly/3oQNl2t

 

26/1 – “El Plan Economico de Martínez de Hoz”, (Argentina, 26 min, sem leg).

 

“Malvinas: Historia de Traiciones” – Jorge Denti (Argentina/México, 1984, 87 min, sem leg).

 

27/1 – Infância Clandestina – Benjamín Avila / Argentina/Brasil, 2012, 110 min, leg em português) – Trailer: http://bit.ly/3ik6Vlj

 

28/1 – Después de La Tormenta – Tristán Bauer (Argentina/Espanha, 1990, 105 min, sem leg).

 

29/1 – “Botín de Guerra” – David Blaustein (Argentina/Espanha, 2000, 118 min, leg em inglês) – Trailer: https://bit.ly/3svTiEi

 

30/1 – “La Guardería” – Virginia Croatto (Argentina, 2015, 71 min, sem leg) – Trailer: https://bit.ly/35P9I0T

 

31/1 – “Memorias del Saqueo” – Fernando E. Solanas (Argentina/França/Suíça, 2004, 120 min, leg em português) – Trailer: http://bit.ly/3oS9uOa

 

Sobre os filmes

 

Clássico do cinema político-militante mundial, La Hora de los Hornos (A Hora dos Fornos) tem direção de Fernando “Pino” Solanas (1936-2020) e Octavio Getino (1935-2012). O longa metragem começou a ser rodado em 1966, durante o governo constitucional de Arturo Illia, e continuou na forma clandestina quando esse governo foi derrubado pelo general Juan Carlos Ongania. Trata-se de um verdadeiro símbolo da cultura de resistência dos anos 1960. Solanas tem outro título na mostra, “Memorias del Saqueo”.

 

Já Nazión é um ensaio documental sobre a história do fascismo na Argentina. O filme traz a assinatura do cineasta Ernesto Ardito, que com “Sinfonia para Ana” (codirigido com Virna Molina) venceria no Festival de Gramado de 2017 o Kikito de melhor filme latino-americano e de melhor fotografia.

 

“Operación Masacre” focaliza o fuzilamento de operários que aconteceu na cidade de José León Suárez, em 1956, durante a ditadura da “Revolução Libertadora” que depôs o presidente Juan Domingo Perón em 1955. O filme tem como atração a presença da atriz Norma Aleandro, protagonista do filme argentino vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro “A História Oficial” (1985) e indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante pelo longa mexicano “Gaby – Uma História Verdadeira” (1987). O diretor, Jorge Cedrón (1942-1980), foi encontrado morto em uma prisão na França, em circunstâncias ainda hoje nebulosas.

 

Vencedor do Festival Latino-americano de Huelva, “Los Traidores” é o único longa assinado por Raymundo Gleyzer (1941-1976). Um depoimento do cineasta reflete a importância de “A Hora dos Fornos” junto ao cinema latino-americano: “Impactado pelo filme de Solanas e Getino, compreendi que devia fazer um cinema mais próximo do combativo, continuar como até então mostrando as causas, mas tentando chegar mais longe”. O envolvimento de Gleyzer com o ativismo político radical levou a seu desaparecimento pela repressão desencadeada pela ditadura civil-militar argentino (1976-1983).

 

Em “Seré Milones”, dois militantes que atuaram na retirada de aproximadamente dez milhões de dólares do Banco Nacional do Desenvolvimento, durante a ditadura do General Lanusse na Argentina, recriam, 40 anos depois, um grupo de atores que mudaram suas vidas. Em um diálogo entre gerações, os jovens transformam seus olhares sobre a militância e o compromisso com os anos passados.

 

Eleito melhor documentário no Festival de Havana e dirigido por Virna Molina e Ernesto Ardito (este, responsável por “Nazión”) é biografia do cineasta Raymundo Gleyzer, de “Los Traidores”. Ele foi sequestrado aos 36 anos pelas forças de repressão da junta militar argentina. O documentário reúne trechos de seus filmes, ao lado de entrevistas com pessoas que o conheciam. No mesmo programa está “Las AAA Son las Tres Armas”, curta-metragem ficcional que reconstrói o sequestro do escritor e jornalista Rodolfo Walsh em 1977, morto em uma emboscada por um pelotão das Forças Armadas argentinas e seu corpo nunca mais foi encontrado.

 

“Resistir” é outra obra do diretor Jorge Cedrón (1942-1980) incluída na mostra, ao lado de “Operación Masacre”. Feito no exílio e assinado sob o pseudônimo de “Julián Calinki”, o filme parte de uma entrevista com Mario Firmenich (líder da organização guerrilheira da esquerda Motoneros) para construir um testemunho sob os abusos de poder da ditadura civil-militar argentina (1976-1983).

 

Em “Malvinas: Historia de Traiciones”, o diretor Jorge Denti (de “Las AAA Son las Tres Armas”) apresenta as circunstâncias da Guerra das Maivinas. A obra aborda o uso dessa guerra pelos governos de Margared Thatcher, primeira-ministra do Reino Unido de 1979 a 1990, e Leopoldo Galtieri, general e presidente argentino que decidiu pela invasão das Ilhas Malvinas, território britânico desde o século 17.

 

Com roteiro do brasileiro Marcelo Müller, “Infância Clandestina” é baseado na vida do próprio diretor, Benjamín Ávila. Filho de guerrilheiros da organização de esquerda Montoneros, ele viveu no exílio com a mãe. Ao retornarem ao seu país, em 1979, na tentativa de derrubar a ditadura civil-militar da Argentina, a mãe acabou sendo presa e morta. Selecionado para os festivais de Cannes, Toronto, San Sebastián e Havana, o longa foi o representante da Argentina para a disputa do Oscar 2013. O produtor do filme, Luis Puenzo, dirigiu “A História Oficial”, vencedor do Oscar de melhor filme em língua estrangeira em 1986.

 

“Después de La Tormenta” foi eleito pelos críticos argentinos como o filme do ano, sendo premiado como melhor longa-metragem, obra de estreia, direção, roteiro, fotografia, montagem, ator coadjuvante e atriz revelação. A obra explora as diferenças sociais da sociedade argentina através de uma família pobre da periferia que enfrenta a realidade ainda mais difícil nas áreas rurais. A produção foi comparada ao clássico italiano “Ladrões de Bicicleta” (Vittorio de Sica, 1948) e a novelas do romancista inglês Charles Dickens.

 

Vencedor do prêmio do júri ecumênico no Festival de Berlim, “Botín de Guerra” é um documentário sobre a história das Avós da Plaza de Mayo, organização de direitos humanos que tem como finalidade localizar e restituir todas as crianças sequestradas ou desaparecidas pela ditadura civil-militar argentino (1976-1983). O diretor teve seu documentário “Cazadores de Utopias” (1996) premiado no Festival de Chicago e no IDFA-Amsterdã.

 

“La Guarderia” focaliza uma grande casa branca com jardim e palmeiras, em Havana (Cuba). Por muitos anos, este foi o lar para um grupo de crianças com idades variando de 6 meses a 10 anos, filhos de militantes da organização guerrilheira argentina Montoneros, ali deixados pelos pais para protegê-los, enquanto lutavam contra a ditadura no país. A diretora Virginia Croatto atuou recentemente como produtora do longa argentino “Vicenta” (de Darío Doria, 2020).

 

Vencedor do prêmio do público para documentário internacional na Mostra de Cinema de São Paulo, “Memorias del Saqueo” tem como ponto de partida a saída do governo do presidente argentino Fernando de La Rúa. O filme analisa os mecanismos que levaram a Argentina a mergulhar em uma crise sem precedentes na sua história. O diretor Fernando “Pino” Solanas tem outro título na mostra, “A Hora dos Fornos”.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *