Publicidade

Morto a tiros no Rio, Leuvis Manuel, autor do livro sobre Marielle e capoeirista, será sepultado nos EUA

  • em



Leuvis Manuel Olivero foi morto a tiros, no dia 10/10, quando caminhava na Barra da Tijuca. Testemunhas relataram que os disparos foram feitos de dentro de um carro. Campanha online arrecadou US$ 17 mil para o traslado; amigos e familiares cobram agilidade na investigação do caso

 

 

O dominicano de cidadania estadunidense Leuvis Manuel Olivero Ramos, de 38 anos, foi mais uma vítima da violência armada na capital fluminense. Na noite do último dia 10, o escritor e capoeirista foi morto a tiros enquanto caminhava por uma rua na Tijuca, bairro da zona norte do Rio de Janeiro.

 

O escritor, que nasceu na República Dominicana, mas era cidadão dos Estados Unidos da América (EUA) e morava no Brasil há quase 10 anos, com o filho e a namorada.

Entre os 11 livros publicados por ele, um homenageava a vereadora carioca Marielle Franco, também assassinada a tiros na cidade, exatamente como ocorreu com ele. Outra publicação do autor criticava o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL e hoje sem partido).

 

Segundo testemunhas, homens de dentro de um carro efetuaram disparos em direção à vítima. Leuvis foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros, mas morreu no local. A Delegacia de Homicídios (DH) investiga o caso.

 

Uma campanha de arrecadação virtual “Help Bring Lu Home” (Ajude a trazer o Lu para casa) conseguiu angariar até o momento 17.850 mil dólares para realizar o sepultamento do escritor nos Estados Unidos. Nascido na República Dominicana, Leuvis Manuel estava no Brasil há pouco mais de 10 anos e tinha cidadania estadunidense.

 

“Você nunca sabe onde sua criatividade o levará. Leuvis Olivero, de Lawrence, Massachusetts, viveu uma vida de aventuras e sua sede por conhecimento, comunidade e arte o levou ao Brasil; onde abraçou a história do país, a política, a capoeira e principalmente a arte de rua”, diz o texto da campanha que já conta com 200 apoiadores.

 

Leia também: Justiça do RJ aceita denúncia contra dois policiais envolvidos na Chacina do Jacarezinho

 

Leuvis deixa uma filha e uma namorada brasileira. No último domingo (17), amigos e familiares protestaram no local onde o crime ocorreu. Vestidos de branco, eles cobraram agilidade na investigação para descobrir quem matou Leuvis e quais foram os motivos para o assassinato.

 

O Instituto Aluandê de Capoeira Angola, do qual Leuvis fazia parte, prestou homenagem ao escritor. Brutus, como era conhecido, aparece no vídeo na companhia de outros integrantes do grupo em momentos de descontração e jogando capoeira. Sua contribuição como designer do Instituto também é exaltada por “criar uma auto identificação afirmativa, positiva e bela, que marca para sempre nossos chãos”.

 

Do Jornal Brasil de FAto com edição de Clívia Mesquita

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *