O deputado mato-grossense  era muito próximo de Bolsonaro e compartilhava da política do Executivo de não adotar nenhuma política de combate ao novo coronavírus e criticava medidas de restrição

 

 

 

O deputado da Assembleia Legislativa do estado de Mato Grosso do Sul, Silvio Antonio Favero, que se destacou por propor uma Lei contra a vacinação obrigatória contra a Covid-19 na região, faleceu neste sábado devido à pandemia.

 

 

Antonio Favero havia sido eleito deputado pelo Partido Social Liberal (PSL) e era muito próximo do atual presidente Jair Bolsonaro, sua morte ocorreu aos 54 anos em um hospital estadual quando lutava contra Covid-19 no passado Quinta-feira.

 

 

 

Durante sua passagem pelo Legislativo, Antonio Favero se destacou por compartilhar as posições de Bolsonaro de subestimar os impactos do vírus e em fevereiro apresentou um projeto de lei para “garantir o direito dos cidadãos de decidir se querem ou não ser vacinados”.

 

 

 

Ele se manifestava a favor do uso de medicamentos que não têm eficácia comprovada contra a Covid-19 e compartilhava publicações do presidente Jair Bolsonarl (ex-PSL) criticando medidas de isolamento social.

 

 

O deputado destacou em seu projeto que não havia “segurança” das vacinas e havia risco de efeitos colaterais a médio e longo prazo, comentário que não tinha embasamento científico. Ele apresentou, em fevereiro deste ano, um projeto de lei estadual “para assegurar o direito de o cidadão escolher ou não pela sua vacinação”.

 

 

O Brasil, atual epicentro global da pandemia Covid-19, ultrapassou a Índia no número de infecções durante a semana e tornou-se o segundo país com mais casos da doença no mundo, superado apenas pelos Estados Unidos; o que representa um perigo para a região e para o mundo, segundo as Nações Unidas.

 

 

A gigante sul-americana, que também é a segunda em número de mortes associadas à Covid-19 no mundo igualmente atrás dos EUA, registrou 85.663 novas infecções na sexta-feira, o segundo maior número de casos diários desde o início da pandemia, com que acumulou 11.363.380 infectados.

 

Telesur com edição do JBP