A Procuradoria-Geral da República enviou um ofício ao Conselho Nacional de Justiça em que informou ter celebrado três acordos de delação premiada que envolvem o juiz Marcelo Bretas, responsável por processos da “lava jato” no Rio de Janeiro. A informação é da CNN Brasil.

 

O documento, assinado pela subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, é uma resposta a um pedido de informações feito pela conselheira Maria Thereza de Assis Moura, corregedora nacional de Justiça.

 

 

A corregedora pediu esclarecimentos à PGR sobre acusações da OAB de quebra de imparcialidade e conluio de Bretas com o Ministério Público do Rio de Janeiro. Em resposta, a PGR disse que tais fatos envolvem três acordos de colaboração firmados pela Procuradoria.

 

 

“Após a devida homologação dos acordos, poderá ser requerido o compartilhamento das evidências e relatos existentes que guardem relação com os fatos”, diz o documento. Os acordos de delação ainda estão pendentes de homologação perante o STJ e o STF e, por isso, permanecem em sigilo.

 

 

Um dos acordos seria do advogado Nythalmar Ferreira Dias. O advogado revelou que Bretas orientava advogados, negociava penas, direcionava acordos de delação e combinava estratégias diretamente com o MPF-RJ.

 

 

Da Revista Consultor Jurídico (ConJur)