Publicidade

‘Minuano’, de Bado, traz identidades culturais em poesia e melodia

  • em



No clipe, Bado parece imergir nas vivências daquela tríplice fronteira

 

 

“A capacidade do artista para flagrar o mundo e seus fenômenos, registrar suas constantes transformações e até mesmo prevê-las, mostra que são como ‘antenas’, sensíveis para captar os movimentos mais sutis, superando muitas vezes os cientistas sociais, com seus instrumentos e estratégias mais objetivas”.

 

Aproprio-me desta citação da pesquisadora Nilda Jacks, uma gaúcha estudiosa da identidade de seu povo, para falar sobre “Minuano”, a mais nova música que o cantor, compositor e instrumentista Bado lançou na sexta-feira, 30, em seu canal no You Tube.

 

‘Minuano’ (Milonga da Serra) como explica Bado, “nasceu da vivência e aproximação com os ritmos, sons e linguagens musicais, presentes nas culturas que se cruzam pelas fronteiras da Região Sul do Brasil”.

 

Ancorada em um texto poético, a música sobrevoa a Serra Gaúcha e descreve com suavidade ímpar, o que a sensibilidade do poeta pôde captar, de conversações entre amigos e familiares.

 

No clipe, Bado parece imergir nas vivências daquela tríplice fronteira, para dar canto ao aconchego que minuano – vento frio e cortante, que aparece após as chuvas de inverno daquela região – oferece aos gaúchos e seus visitantes. A impressão que se tem é de que, ao enxergar o vento, o artista sente o prazer de um povo que faz do vento frio da Serra, seu canto, sua identidade cultural.

 

Termo cujo conceito tem, segundo Martin-Barbero (1993), transitado entre exclusão e integração, identidade cultural passou a se constituir em fenômeno de autorreconhecimento individual e coletivo, sendo, neste último caso, como um sistema de referência em que “todos se enxergam ao olhar o outro”, como diz Nilda.

 

É esse olhar do artista que compõe a estética de ‘Minuano’: serras, ventos uivantes, vinhedos, olhares cúmplices, identidades e paixões. Sob os acordes de seu violão, Bado entrelaça sentimentos e expressões culturais sulinas. Ele usa a milonga, gênero musical presente naquelas fronteiras, e que tem como grandes referências, os compositores gaúchos Vitor Ramil e Renato Borghetti.

 

No ano passado, para fugir da neurose causada pela pandemia da Covid-19, Bado percorreu mais de 3.600 quilômetros, entre Porto Velho (RO) e Santa Maria (RS), para visitar a filha, Bia Melo, e matar a saudade.

 

Ambientado na riqueza cultural dos territórios fronteiriços, transformou sua vivência em canção. Mas, não foi a primeira vez que Bado conviveu com culturas de fronteiras. Ao participar de edições do Festival de Cinema da Amazônia (FESTCine), ele vivenciou as culturas do Peru e da Bolívia, o que resultou na composição ‘Pátria Mama’.

 

 

Deriva destas vivências, parte de sua arte, que mistura sons e ritmos universais – de pessoas, pássaros, água e ar -, muito presentes na musicalidade do bioma Amazônico – Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela. Traços desse caldeirão cultural estão presentes em excelentes produções de Bado tais como ‘Porto das Esperanças’, Amazônia em Canto’, ‘Aldeia de Sons’, ‘Gente da Mesma Floresta’ e ‘Mundos – 50 Anos’.

 

É marca indissociável de Bado, o compromisso de difundir o canto produzido na Amazônia, dando importância à construção de uma identidade musical, que universalize tons e sons. Em sua busca pela integração cultural de ritmos e sons de fronteiras, mais uma vez, Bado presenteia seu público com algo envolvente, amoroso e pedagógico, que transforma identidades culturais em poesia e melodia.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *