Publicidade

Método de alfabetização cubano se destaca no Panamá

  • em



As autoridades educacionais panamenhas destacaram a abrangência do método de alfabetização cubano Sí, yo puedo (Sim, eu posso), que hoje dá suporte aos planos nacionais de ensino da leitura e de escrita.

 

 

Em nome da ilha, o professor Alfonso Cruz, Coordenador Nacional do Programa de Alfabetização, elogiou o frequente reconhecimento que recebe de executivos como a Ministra do Desenvolvimento Social (Mides), María Inés Castillo, em reuniões de trabalho ou na entrega de certificados para novos letrados em regiões e províncias.

 

 

Os idosos, assim como as mulheres e indígenas que vivem em áreas de difícil acesso, destacam-se entre as pessoas que adquirem esse conhecimento.

 

 

Cruz disse que estava orgulhoso nesta quarta-feira por ocasião do 60º aniversário da declaração de Cuba como território livre de analfabetismo, pela contribuição ao Istmo do método criado por educadores como a cubana Leonela Relys Díaz (falecida em 2015).

 

 

É gratificante ver os resultados que o programa local Muévete (Mova-se) por Panamá acumula até agora, afirmou.

 

 

De acordo com as estatísticas do Mides, este ano mais de mil panamenhos aprenderam a ler e escrever em meio às difíceis condições geradas pela pandemia de Covid-19.

 

 

Até o fim de dezembro, a previsão é de que outras 258 pessoas que estão cursando atualmente se alfabetizem.

 

 

As aulas se concentram principalmente na região de Ngabe Buglé, nas províncias de Chiriquí, Los Santos, Bocas del Toro, Leste e Oeste do Panamá, como ficou conhecido.

 

 

Com duração de sete semanas, o programa facilita o ingresso de beneficiários interessados no sistema educacional e de trabalho, por meio de alianças entre Mides, Ministério da Educação e Instituto Nacional de Formação Profissional e Capacitação para o Desenvolvimento Humano, empresas privadas e outros.

 

 

Dessa forma, destacam, contribui para a redução da pobreza e da pobreza extrema e para a elevação da qualidade de vida dos estudantes.

 

 

Desde sua implantação no Panamá em 2007, o sistema de aprendizagem já beneficiou mais de 78 mil pessoas.

 

 

Entre 2002 e 2021, mais de 10 milhões de pessoas em 130 países aprenderam a ler e escrever com o método Sim, eu posso, que permitiu a várias nações do continente como Venezuela e Bolívia, entre outras, receberem o certificado de livres do analfabetismo pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *