Publicidade

Maternidades brasileiras I

  • em



Peço um anjo que me acompanhe.

Em tudo via a voz de minha mãe

Em tudo via nóiz a sós neste mundo incerto.

(…)

Até o meu jeito é o dela.

Amor cego escutando com o coração

 a luz do peito dela

Descreve o efeito dela breve, intenso, imenso (…)

Desafia, vai dar a mó treta

Quando disser que vi Deus e ele era uma mulher preta.

(Mãe, Emicida)

 

 

Maternidade precisa rimar com liberdade, com escolha. Gestar e cuidar da vida continuam sendo atribuições eminentemente femininas, de pessoas com útero, envolvendo o corpo e a vida das mulheres. Em nossa sociedade, entretanto, a maternidade ainda é mantida com caráter compulsório, diferentemente da paternidade que ainda preserva caráter optativo. Repetem-se, também aqui, as desigualdades de gênero.

 

No Brasil, um homem pode postergar indefinidamente o reconhecimento de uma criança como filha, pois temos uma lei da paternidade, desde 1992, relativizando esse reconhecimento. Um Judiciário sexista contribui para a eficácia de medidas protelatórias adotadas por aqueles que desejam permanecer longe de responsabilidades parentais. O pai, indicado pela mãe, é mantido no Judiciário brasileiro eterna e sexistamente como suposto pai e a instituição continua mantendo a palavra da mãe sob suspeita. A solução está na inversão do ônus da prova da paternidade, oferecendo um prazo para o pai indicado pela mãe provar não ser o pai.

 

O vínculo frágil do homem brasileiro com seus filhos foi internacionalmente exposto com o futebol. A composição da seleção na última copa do mundo – na Rússia, em 2018 – retratou isso. Entre os 11 jogadores titulares, seis não tinham reconhecimento paterno: Miranda, Thiago Silva, Marcelo, Casemiro, Paulinho e Gabriel Jesus. Este, a cada gol, telefonava para a mãe, Vera Lúcia, comemorando. Seu Alô, mãe – homenagem a ela – ficou conhecido pelo mundo. O pai deixou Vera quando ela anunciou a gravidez. Mas essa mãe se dedicou muito ao filho que admite: Quando ia aos jogos e via meus amigos, sentia inveja por não ter um pai presente. Mas do jeito que minha mãe me criou, eu logo esquecia que tinha pai [ausente].

 

Se mais de 50% dos integrantes da seleção de 2018 não tinham reconhecimento paterno, na população geral do país, otimistamente, estimo em 10% não assumid@s pelos homens-pais, resultando em pessoas sem reconhecimento paterno. O país tem uma população de 210 milhões, podendo significar 21 milhões de homens que escolheram não assumir a paternidade, o reconhecimento da filiação, a criação e a educação de seus filh@s. Em outros termos, significa 21 milhões de pessoas filhas da mãe, o que em uma sociedade patriarcal representa demérito. Esse número equivale a mais do que toda a população do Chile (19,1 milhões). Torna-se claro ser a paternidade livre neste país: o homem brasileiro é pai, se e quando quiser.

 

E significa uma profusão de mães solo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2017), em torno de 60 milhões de lares brasileiros são chefiados por mulheres, algo em torno de 40% das famílias do país. Desse total, aproximadamente 57% das famílias chefiadas por mulheres com filh@s vivem abaixo da linha da pobreza. Com o recorte racial, as desigualdades se agravam: entre as mães negras, 65% dos lares vivem abaixo da linha da pobreza.

 

É importante e necessário dar visibilidade às mães solo que traduzem modos de vida contemporâneos. dedicam cuidados a uma criança – filh@ biológic@ ou adotiv@.

 

A expressão “mãe solteira” — até recentemente consagrada — associa a maternidade a um estado civil, sugerindo falta, carência, não acolhendo a pluralidade de situações que podem estar envolvidas. A vinculação maternidade e estado civil interessa ao patriarcado, que pretende legitimar nascimentos havidos estritamente no interior do casamento, o que fere nossa Constituição de 1988, que baniu toda adjetivação para filhos e filhas. Até então, falava-se em “filh@ legítim@”, “filh@ ilegítim@”.

 

Mãe é resistência, mãe é amorosidade. Celebremos todas as maternidades: mães solo, mães negras, mães indígenas, mães brancas, mães lésbicas, mães bissexuais, mães trans, mães heterossexuais, mães biológicas, mães adotivas. A todas, a sociedade e o Estado devem reconhecimento, valorização, acolhimento, apoio. Todas dão nascimento, amamentam, nutrem, cuidam no presente e gestam o futuro.

 

Darei continuidade ao tema em pauta, que é para mim da maior relevância. Encontramo-nos, portanto, na segunda parte deste artigo. A todas, cumprimentos e abraços.

 

(*) Ana Liési Thurler é doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília, consultora em Direitos Humanos das Mulheres, ativista no feminismo anti-capitalista, antirracista, anti-lgbtqi+fobia e na #partidA-DF, Por Uma Democracia Feminista.

 

 

 

 

 

  • Compartilhe

Um comentário

  1. Prezada Ana Liese. Nós, do grupo “ Mulheres Dizem Não” – temos uma pg no FB com este nome que vc pode consultar e compreender nossa proposta – queremos convidá-la para um bate papo virtual, claro, por causa da pandemia, a fim de compreendermos suas ideias especificamente sobre a revogação da Lei da Alienação Parental. Seguras de que uma mulher, especialmente de esquerda como nós, não se furta ao debate, aguardamos seu contato com brevidade.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta para Coletivo Mulheres Dizem Não Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *