Publicidade

Mais de 5 bilhões de pessoas não têm acesso a direitos democráticos no mundo

  • em



Levantamento feito pelo Our World in Data, plataforma de dados da Universidade de Oxford, revelou que, depois de mais de 200 anos da Revolução Francesa, cerca de 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso a direitos democráticos.

 

No entanto, a parcela da população que não tem os direitos garantidos por uma democracia é maior do que o dobro da população que tem, com 5,28 bilhões de pessoas.

 

O Our World in Data destaca que, apesar da maioria dos países do mundo ter regimes democráticos, isso não mostra quantas pessoas de fato aproveitam os direitos políticos defendidos na Revolução Francesa.

 

Para fazer o levantamento, a pesquisa utilizou a classificação Regimes of the World, que divide em 4 os sistemas políticos do mundo:

 

Autocracias fechadas: os cidadãos não têm o direito de escolher o líder executivo do governo ou a legislatura através de eleições multipartidárias. Em 2020, contava com 1,91 bilhões de pessoas;

 

Autocracias eleitorais: os cidadãos têm o direito de escolher o líder executivo do governo ou a legislatura através de eleições multipartidárias, porém não têm acesso a determinados direitos, como o da liberdade de expressão. Em 2020, contava com 3,37 bilhões de pessoas;

 

Democracias eleitorais: os cidadãos têm o direito de participar de eleições multipartidárias justas e livres. Em 2020, contava com 1,44 bilhões de pessoas;

 

Democracias liberadas: os cidadãos têm mais direitos minoritários e individuais e são iguais perante à lei. As ações do Executivo são restringidas pelo Legislativo e pelos tribunais. Em 2020, contava com 1,07 bilhões de pessoas

 

A pesquisa destaca que muitas pessoas só passaram a ter direitos políticos a partir do século XIX. “Em 1800, quase todo mundo vivia em regimes classificados como autocracias fechadas.”

 

À época, nenhum país era considerado uma democracia e apenas 16 milhões de pessoas viviam em autocracias eleitorais: o Reino Unido e os Estados Unidos.

 

Os avanços políticos democráticos só puderam ser observados em maior escala no século XX. Em 1950, mais de 200 milhões de pessoas viviam em democracias liberais, principalmente na Europa Ocidental.

 

No entanto, de acordo com o Our World in Data, os direitos democráticos “estão longe de serem universais”. O levantamento também apontou retrocessos recentes.

 

“Apesar de muitas pessoas terem, o número de pessoas que não têm direitos democráticos é maior do que nunca”, diz a pesquisa.

 

A justificativa para o alto número de pessoas sem esses direitos é de que “a população cresceu mais rápido do que a propagação da democracia”.

 

Quanto aos retrocessos, o estudo destaca o caso da Índia, que se tornou uma autocracia eleitoral em 2019. O país havia sido democratizado na década de 1950.

 

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *