Publicidade

“Lula terá meu apoio em 2022”, disse ex-líder do SPD, partido vitorioso na Alemanha

  • em



Vitória dos sociais-democratas na Alemanha é boa notícia para Lula, que esteve na sede do partido em março do ano passado e recebeu visita de ex-líder da sigla na prisão em 2018

vitória do SPD (Partido Social-Democrata) nas eleições alemãs, ainda que por margem apertada, é uma boa notícia para o campo progressista brasileiro e, em especial, para o ex-presidente Lula.

O PT tem uma proximidade que não vem de hoje com os sociais-democratas da Alemanha e a possibilidade de Lula vencer as próximas eleições abrem a possibilidade de uma relação ainda mais amistosa entre o Brasil e o país Europeu caso o SPD consiga, de fato, formar uma coalizão com os Verdes e formar um governo com seu representante, Olaf Scholz, como novo chefe de Estado.

Uma das ocasiões em que a relação entre Lula e os sociais-democratas alemães foi explicitada se deu na visita que ex-líder do SPD e ex-presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, fez ao petista na prisão em agosto de 2018.

Na ocasião, Schulz disse “nós [sociais-democratas] temos um grande interesse em uma vitória eleitoral do PT”, e declarou ainda que não é “um especialista na lei criminal brasileira” mas que “confia” e “acredita” em Lula.

“O Brasil merece um presidente que defenda a justiça social, o respeito e a cooperação multilateral. Este é o projeto do Partido dos Trabalhadores que eu apoio”, afirmou.

O ex-presidente brasileiro, por sua vez, entregou uma carta ao líder alemão em que diz: “Aos companheiros democratas da Alemanha, quero agradecer a solidariedade de vocês desde os tempos das greves de 1980. Agora fizeram um golpe, tirando uma presidente eleita, e agora com um golpe judicial não querem que eu concorra a Presidência do Brasil. Conto com a solidariedade do povo alemão”.

Os dois políticos já tinham estado juntos em outras ocasiões, como em 2015, quando o petista foi a Berlim. “Um prazer encontrar o ex-presidente do Brasil e inspirador progressista Lula da Silva”, disse Schulz à época.

Já em março deste ano, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou o processo do triplex do Guarujá, declarou a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e devolveu a Lula seus direitos políticos, Schulz foi às redes sociais para, mais uma vez, declarar apoio ao petista em um pleito eleitoral. “Há dois anos visitei o ex-presidente brasileiro Lula em Curitiba – em sua cela de prisão. O Supremo Tribunal Federal deu-lhe ontem de volta todos os seus direitos políticos e ele deve concorrer às eleições de 2022! Terá o meu apoio”, escreveu.

“Se Lula tivesse sido candidato, Bolsonaro não teria sido eleito. É preciso ter em mente que o que sustenta a democracia não é só a vontade popular, mas também a vontade da mídia, que está disposta a sacrificar a democracia em nome de seus interesses”, declarou ainda.

Poucos dias depois, em 24 de março, Schulz e Lula tiveram uma reunião virtual. “Solidariedade com as brasileiras e brasileiros nesse dramático momento de crise sanitária, econômica e ambiental. O negacionismo da ciência não pode ser o caminho! Obrigado Lula pela excelente conversa e seu compromisso com o Brasil!”, afirmou o alemão na ocasião.

As ligações de Lula com a social-democracia alemã não se limitam a Schulz. Em março de 2020, poucos meses após deixar a prisão, por exemplo, o ex-presidente fez uma viagem pela Europa e, quando esteve em Berlim, visitou a sede do SPD e se reuniu com o presidente da legenda, Norbert Walter-Borjans.

“A democracia não é uma questão dada. Ela exige que nós saibamos o tempo todo que ela está em perigo”, disse Walter-Borjans neste dia.

 

Da Revista Fórum

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *