O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta segunda-feira (16/08), em Recife, que o Bolsa Família de R$ 400 não irá ajudar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vencer a disputa pelo Palácio do Planalto.

 

“O Bolsa Família foi apenas um dente na engrenagem da consolidação das nossas políticas sociais. Quando fizemos o Luz Para Todos, o custo era de R$ 20 milhões. Que empresa privada levaria luz pra 15 milhões de pessoas sem ter lucro”, disse o petista durante coletiva com a imprensa pernambucana.

 

 

Lula criticou a indiferença de Bolsonaro em relação às quase 600 mil vítimas na pandemia. “Estamos assistindo o começo da existência de um ditador. Um presidente que tem coragem de visitar quartel, mas não tem coragem de visitar hospital”, disse.

 

 

Questionado se o aumento do Bolsa Família para R$ 400 não iria facilitar a eleição de BolsonaroLula disse que não. Ele lembrou que a bancada do PT defende R$ 600 de ajuda emergencial na pandemia. “O povo vai receber Bolsa Família de 400 reais e não vai votar em Bolsonaro”, previu o petista.

 

 

 

 

 

O ex-presidente chamou Bolsonaro de bravateiro e disse que o mandatário vai perder a eleição e reconhecer o resultado.

 

 

“Se um filho de Garanhuns tivesse medo de ameaça eu nem teria nascido. Já tenho experiência demais com bravata. O Bolsonaro vai perder as eleições e vai acatar o resultado. Ele pode é ficar triste porque talvez quem ganhe não queira receber a faixa dele e prefira receber do povo”, afirmou Lula.

 

 

O petista ainda pressionou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para abrir um dos 130 pedidos de impeachment protocolados na Casa. “A verdade é que se o Lira não criar coragem de fazer o impeachment, vai sobrar para o povo brasileiro o direito de se livrar desse genocida que está no poder.”

 

 

O ex-presidente Lula justificou a demora para fazer a caravana, viajando pelo país, porque, segundo ele, para não dar motivo para os negacionistas falarem que a gente não estava respeitando a pandemia. “Mas decidi fazer essa viagem pelo Nordeste, respeitando às normas sanitárias, por compreender o momento que atravessa nosso país.”

 

Sobre a caravana de Lula pelo Nordeste

 

 

O ex-presidente chegou ao Recife no domingo (15) e já iniciou uma intensa agenda de encontros e reuniões. Ainda no domingo, conversou com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); o prefeito de Recife, João Campos (PSB) e parlamentares e lideranças de PT, PCdoB, Psol e PSB. “Fechamos nosso primeiro dia com muito diálogo e a certeza de que é possível reconstruir o Brasil”, disse Lula.

 

 

Nesta segunda, a agenda incluiu a visita a um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), onde Lula presenciou a arrecadação de alimentos que serão doados para o combate à fome, que Jair Bolsonaro trouxe de volta à região Nordeste ao país. “O povo brasileiro ainda vai reconhecer o trabalho milagroso da agricultura familiar quando ela tem suporte do governo. Ao invés de o presidente da República ficar fazendo motociata, ele deveria visitar um assentamento dos sem-terra pra ver se ele aprende alguma coisa”, disse Lula.

 

 

Em Pernambuco, Lula esteve acompanhado da presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann; do senador Humberto Costa (PT-PE); dos deputados federais José Guimarães (PT-CE) e Marília Arraes (PT-PE); e do vice-presidente do PT Marcio Macedo, entre várias outras lideranças partidárias.

 

 

Até o dia 26, Lula visitará seis estados, onde espera conversar com lideranças das mais diversas áreas para identificar os principais problemas que afetam a região e debater soluções para a grave crise provocada pelo atual governo. Amanhã, Lula segue para o Piauí, onde fica até a quarta-feira (18). Depois, visita Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia.

 

 

Agenda de Lula no Nordeste

 

 

Até o dia 26, Lula percorre os estados do Piauí, Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia.

 

 

15 e 16/8 – Pernambuco
17 e 18/8 – Piauí
18 a 20/8 – Maranhão
20/8 – Ceará
24/8 – Rio Grande do Norte
25 e 26/8 – Bahia

 

 

Reproduzido do site A Postagem
(*) Por Esmael Morais