Publicidade

Líderes latino-americanos em perigo

  • em



O mundo caminha para a multipolaridade, mais do que um desejo é uma realidade; mas, sobretudo, uma necessidade. A arbitrariedade da unipolaridade, do hegemon, que, vendo-se livre de sombra, de contrapeso; No final do século XX, desmembrou a ex-Iugoslávia, balcanizou aquela zona da Europa, transformando-a num canto de morte, gerador de tensões que ainda não foram resolvidas.

 

 

Foi o início de uma série de ultrajes, violações flagrantes e descaradas da Carta das Nações Unidas, que continuaram com a invasão do Afeganistão, Iraque, Líbia, a agressão contra a Síria.

 

 

Sem falar nos golpes de estado, como na Venezuela, conflitos de baixa intensidade em todo o planeta, promoção do tráfico de drogas em todo o mundo, agressão econômica contra países soberanos e dignos, ativação de mecanismos judiciais para livrar-se de líderes desconfortáveis, ataques contra líderes em diferentes países.

 

 

Na América Latina, tudo isso é aplicado, separadamente ou em conjunto. Na Venezuela existem ações coercitivas unilaterais, confessadas pelos próprios; mas também houve um ataque de drones contra o presidente Nicolás Maduro.

 

 

No Brasil se livraram eleitoralmente de Lula, em processos fraudulentos; colocar um personagem nefasto como Jair Bolsonaro na presidência. Anteriormente, com leis, protegidas por setores apátridas, eliminaram politicamente Fernando Lugo e Manuel Zelaya. Isso sem falar na grosseira perseguição judicial contra Rafael Correa, que mantém grande popularidade no Equador.

 

 

Deram um golpe em Evo Morales, que custou muito sangue de seus seguidores, com a cumplicidade da OEA. Em todos esses fatos está a marca de Washington.

 

 

Eles não querem que o povo decida seus destinos. Mas o que foi dito, estamos caminhando para a multipolaridade.

 

 

Sua arrogância, que os leva a calcular mal, uniu a Rússia e a República Popular da China. Fortalece os BRICS, que inclusive cogitam incorporar novos países emergentes.

 

 

Claro que, embora a multipolaridade seja destino, por enquanto o que aparece é “ bloqueio ”.

 

 

Esse bloqueio está confundindo alguns países que não estão lendo a política internacional com clareza. Por exemplo, a União Europeia, que há muito deixou de ser um ator fundamental, por entregar seu destino a Washington.

 

 

Os europeus foram cúmplices dos Estados Unidos, por ação ou omissão, na invasão do Afeganistão, Iraque, Líbia, outros conflitos menores na África, no Oriente Médio.

 

 

Os líderes do Velho Continente se dobraram incondicionalmente e com grande determinação na “globalização” implementada por Washington e seus “laboratórios de idéias”, especialmente em questões econômicas; e depois sofreram a crise financeira gerada em 2008 que quebrou muitos bancos, bancos que por sinal foram relançados, no caso dos Estados Unidos, com dinheiro do tesouro público; com impostos pagos por todos os americanos.

 

 

Hoje, embarcada nesta aventura, promovida por Washington na Ucrânia, a Europa enfrenta níveis recordes de inflação e desabastecimento. A qualidade de vida entre seus cidadãos diminuiu ostensivamente. Por quê? Por ter líderes sem personalidade, incapazes de defender seus interesses, ainda mais, sem entender que seu “protetor” os vê como “material descartável”.

 

 

Um detalhe, há um ano ficou conhecido como a Austrália, que havia concordado em comprar submarinos da França por um valor superior a 65 milhões de dólares, cancelou a operação em favor da Grã-Bretanha. Por trás desse negócio estava Washington.

 

 

Então veio a público a coisa do AUKUS, o bloco formado pela Austrália, Grã-Bretanha e Estados Unidos; forjados para controlar, pelo menos assim afirmam, o Indo-Pacífico, com o objetivo de frear o crescimento da China.

 

 

A França é um país importante na UE, tentou algumas ações diplomáticas, mas sem sucesso. Pouco tempo depois, surgiu a questão da Ucrânia, a França ficou sem negócios e juntou-se a Washington em seu confronto com a Rússia.

 

 

O chamado bônus demográfico na Europa é deficiente, não tem recursos energéticos para enfrentar o futuro, sua influência tecnológica está perdendo relevância à medida que novos atores aparecem na Ásia e na Eurásia. Eles ainda têm seu poder financeiro, por meio de suas bolsas de valores, mas o fato de aderirem às sanções contra a Rússia e outros países, inclusive a própria China, fez com que esses países e outros ao redor do planeta fortalecessem sistemas alternativos.

 

 

Pelo contrário, na Indo -América o potencial aumenta, melhora tecnologicamente; Alianças mais favoráveis ​​são criadas com países da Ásia, Eurásia, África, em todos os níveis. A disponibilidade de recursos energéticos, água doce, terras raras, terras férteis para a agricultura; eles preveem um futuro promissor.

 

 

Há outro detalhe crucial, seus povos reconhecem a necessidade de se unir. Certamente ainda há setores da população que permanecem colonizados, que têm uma visão eurocêntrica, mas felizmente são muito poucos.

 

 

Além das discrepâncias, eles devem se unir. Há mais fatores que os unem. Os dirigentes, independentemente do signo político ou das nuances, também sabem disso. A América Latina deve enfrentar o futuro próximo com acordos eficientes, realistas e justos; que a faz desempenhar um papel preponderante no mundo.

 

 

Se conseguir formar um bloco sólido, neste momento de bloqueio , será importante na multipolaridade.

 

 

Nesse contexto, Lula, muito provável vencedor das eleições de outubro no Brasil, relançou a ideia de uma moeda comum na Indo -América , um pouco como o que Hugo Chávez propôs no início do século 21. Um pouco como o que Muammar Gaddafi propôs na África, e isso, para muitos, desencadeou a decisão de Washington de liquidá-lo.

 

 

Esse potencial da América Latina, esses desejos de materializar suas ideias, colocam seus líderes em perigo. Não esqueçamos a judicialização, aquele processo complicado, com conotações da Santa Inquisição judicial e midiática; contra Cristina Fernández.

 

 

Não esqueçamos que na quarta-feira, 24 de agosto, em Norte de Santander, um grupo armado atacou uma delegação do presidente Petro. Recordemos as manifestações e ameaças fascistas contra Luis Arce na Bolívia; Não esqueçamos que, ao estilo dos velhos filmes de faroeste americanos, a cabeça de Nicolás Maduro tem um preço.

 

 

Não esqueçamos a amargura com que alguns grupos de poder atacam Manuel López Obrador, nem as ligações entre os cartéis de drogas no México com a DEA, a CIA.

 

 

À medida que seu destino se torna concreto, os riscos aumentam.

 

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *