Publicidade

Jabbour analisa a relação Brasil–China e afirma que o País perde uma chance única na história

  • em



O programa Tecendo o Amanhã, de terça-feira (11), entrevistou o doutor em geografia e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Elias Marco Khalil Jabbour, sobre a realidade e a relação do Brasil com a China no atual governo.

 

 

Na avaliação dos jornalistas Moysés Corrêa, Beto Almeida e César Fonseca, apresentadores do programa, “é obrigatório aprofundar o tema da relação Brasil–China e nada melhor do que ter uma pessoa que faz esse acompanhamento há pelo menos 25 anos por meio de um olhar progressista”, afirmam.

 

Para os apresentadores e co-editores do Tecendo o Amanhã, a entrevista busca não só analisar a situação, mas também mostrar a importância da revolução chinesa e seus desdobramentos porque permitiram que a China se tornasse, hoje, uma potência mundial. “Ela não se tornaria uma potência se tivesse continuado sendo um país semicolonial, como está sendo o Brasil, após o golpe de Estado de 2016 e do devastador governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL)”.

 

 

A revolução chinesa colocou o país oriental numa posição de total imprescindibilidade nas relações internacionais. A postura do governo chinês de desenvolvimento estratégico por meio de laços econômicos com os países, independentemente de regimes políticos, é um desafio muito importante a ser compreendido.

 

 

“Considero uma esquizofrenia essa coisa toda envolvendo o 5G. O Brasil está perdendo uma oportunidade única em sua história de se utilizar de algo que é sensível para os chineses, ou seja, essa questão de a China ser quase que monopolista no mercado mundial de 5G. Ou seja, o Brasil não é um mercado qualquer. É imenso. Estamos perdendo a chance de casar nossas necessidades tecnológicas com a necessidade chinesa”, afirma.

 

 

O presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) aprofunda a transformação do Brasil em território semicolonial submetido aos Estados Unidos da América (EUA) e seus megaempresários e abre mão da soberania nacional e da capacidade do Brasil ter parceiros comerciais e tecnológicos numa relação equilibrada entre nações. Nesta entrevista, Jabbour fala também sobre a Huawei e as declarações de Bolsonaro contra a China. Confira.

 

Tecendo o Amanhã é um programa é uma parceria entre os canais de TV Comunitárias do Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte e Recife e com a Rádio Manawa – a voz da resistência.

 

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *