Publicidade

Invasões a terras indígenas triplicaram entre 2018 e 2021, diz estudo

  • em



Novo relatório do Conselho Indigenista Missionário mostra que os casos de invasões, exploração ilegal e violência vêm crescendo desde 2019

 

Por três anos consecutivos, o número de invasões e exploração ilegal de terras indígenas (TIs) praticamente triplicou e atingiu o marco de 305 ocorrências em 2021. Os casos ocorreram em, pelo menos, 226 TIs em 22 estados do país.

 

Conforme aponta o relatório Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil, publicação anual do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) com dados referentes a 2021, o número de casos do último ano é quase três vezes maior do que o registrado em 2018, quando foram contabilizadas 109 invasões.

 

Os dados levantados pelos relatórios anuais ao longo dos últimos anos mostram aumento considerável de invasões desde a posse do presidente Jair Bolsonaro (PL), “à frente de governo conhecido pela omissão de pautas relacionadas a povos tradicionais”.

 

No ano da posse de Bolsonaro, que ocorreu em janeiro de 2019, a quantidade de casos já tinha saltado 134,8% em relação ao ano anterior. Abaixo, o total de invasões possessórias apanhado pelo Cimi ano a ano, desde 2016:

 

  • 2016: 59
  • 2017: 96
  • 2018: 109
  • 2019: 256
  • 2020: 263
  • 2021: 305

 

Violência é a maior em 9 anos

Ainda segundo o relatório, as ocorrências de violência contra pessoas indígenas também aumentaram e 2021 registrou o maior número desde 2013. São 355 casos, divididos em nove tipificações:

 

 

Abuso de poder (33); ameaça de morte (19); ameaças várias (39); assassinatos (176); homicídio culposo (20); lesões corporais dolosas (21); racismo e discriminação étnico cultural (21); tentativa de assassinato (12); e violência sexual (14).

 

 

Em 2020, foram constatados 304 registros.

 

 

Os estados que registraram maior número de assassinatos de indígenas em 2021 foram Amazonas, 38; Mato Grosso do Sul, 35; e Roraima, 32. Os três estados também lideraram o ranking de assassinatos em 2020 e em 2019.

 

Mortalidade infantil

 

 

Em 2021, a categoria de violência por omissão do poder público teve aumento geral em quase todas as subdivisões em comparação a 2020. As exceções foram os episódios de desassistência geral e mortalidade infantil. Ainda assim, o número é relevante.

 

 

De acordo com os dados coletados da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), 744 crianças indígenas de 0 a 5 anos morreram em 2021. Amazonas (178), Roraima (149) e Mato Grosso (106) são os estados com maior ocorrência de óbitos nessa faixa etária.

 

Acesse: https://www.metropoles.com/brasil/invasoes-a-terras-indigenas-triplicaram-entre-2018-e-2021-diz-estudo




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *