De acordo com investigadores, Eduardo Bolsonaro é um dos líderes do “núcleo político” da organização criminosa. O trabalho sigiloso da PF apontou que o parlamentar coordena a interlocução com Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump

 

Uma publicação do site 247, nessa quarta-feira (25), dá conta de que as investigações da Polícia Federal sobre esquemas de milícias digitais desembocaram no deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

 

Segundo a matéria, “reservadamente, investigadores se convenceram de que o parlamentar é um dos líderes do “núcleo político” da organização criminosa”. O inquérito tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) sob o comando de Alexandre de Moraes.

 

O site diz também que informações de O Bastidor, o trabalho sigiloso da PF apontou que Eduardo, o 03, coordena a interlocução com Steve Bannon, ex-estrategista do ex-presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Donald Trump (Partido Republicano).

 

“Dissemina ataques digitais contra o STF e as urnas eletrônicas para desestabilizar as instituições democráticas e, por consequência, fazer a população achar que elas atrapalham a governabilidade”, afirma o site.
O ministro do STF já havia incluído Jair Bolsonaro no inquérito das fake news.  O filho número 01, Flávio Bolsonaro, é investigado pelo esquema das “rachadinhas”. Agora, a crise entre o Palácio do Planalto e o STF alcançará novo patamar, caso a PF avance na investigação da maneira que os policiais querem, envolvendo o 03.

Do site 247 com edição do JBP