Publicidade

Índice de renovação na Câmara dos Deputados é de 44,05%, segundo o Diap

  • em



Mas, diz o DIAP, a renovação é relativa porque houve o ingresso ou retorno de ex-deputados federais, estaduais, senadores, governadores e prefeitos, conhecidos da política

 

 

O índice de renovação na Câmara dos Deputados nesta eleição foi de 44,05%, segundo cálculo feitos pelos Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Em números proporcionais, a renovação ficou dentro da média histórica de 45,78% das últimas seis eleições para a Câmara.

 

 

Foram eleitos 226 deputados novos e reeleitos 287, de um total de 446 candidatos à reeleição. Ou seja, 64,34% dos deputados que se candidataram foram reeleitos.

 

 

A renovação, de acordo com analistas do Diap, pode ser considerada relativa porque houve o fenômeno da circulação de poder com o ingresso ou retorno de ex-deputados federais, estaduais, senadores e além de governadores, prefeitos conhecidos na política.

 

 

Quatro eleições tiveram o menor índice de renovação: 1998, 2002, 2010 e 2022. Nesses anos o percentual de renovação na Câmara ficou abaixo de 45%, de acordo com histórico feito pelo Diap. Até então, a eleição com maior número de novos rostos havia sido a de 1990, com 61,82% de renovação.

 

 

Esses índices levam em consideração os deputados federais em exercício de mandato sendo titulares, efetivos e os suplentes. A Câmara dos Deputados, diferentemente do Diap, considera todos os deputados que assumiram o mandato em algum momento da legislatura.

 

 

Bancadas com maior número de deputados

 

 

A Federação PT/PC do B e PV aumentou em 11 o número de parlamentares, de 68 para 79. O PL foi o que mais cresceu, com 23 novos eleitos. De 76 foi para 99. Confira abaixo a variação por partido.

 

 

 

BANCADA ELEITA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS
Partido Bancada Atual Bancada Eleita Variação
PL 76 99 23
PT/PCDOB/PV 68 79 11
UNIÃO BRASIL 51 59 8
PP 58 47 -11
REPUBLICANOS 44 42 -2
MDB 37 42 5
PSD 46 42 -4
PSDB/CIDADANIA 29 18 -11
PDT 19 17 -2
PSB 24 14 -10
PSOL/REDE 10 14 4
PODEMOS 9 12 3
AVANTE 6 7 1
PSC 8 6 -2
PATRIOTA 5 4 -1
SD 8 4 -4
PROS 4 3 -1
NOVO 8 3 -5
PTB 3 1 -2
TOTAL 513

Fonte: Diap

 

 

O que esperar deles?

 

 

Esses números, segundo o Diap, representam de forma geral um futuro Congresso, sendo mais ideológico à direita, mais conservador e mais liberal, quanto a agenda dos costumes e na defesa do Estado mínimo em relação à economia, respectivamente.

 

 

Governabilidade de Lula e Bolsonaro

 

 

Apesar da maioria do novo Congresso Nacional defender pautas mais conservadoras, reportagem da Folha mostra que Lula eleito num segundo turno, tem chances de governabilidade, já que tem a seu favor 222 deputados, na soma com os demais partidos progressistas.

 

 

Segundo a Folha, a coligação pró-Lula (PT, PC DO B, PV, PSOL, Rede, PSB, PROS, Avante, Solidariedade e Agir) tem 120 parlamentares; os com tendência pró-Lula (PSD, MDB e PDT) somam 102, totalizando 222 parlamentares.

 

 

A oposição, que não faz parte da Federação do PT, manteve praticamente o mesmo tamanho. O MDB cresceu (de 37 para 42); O PSB perdeu 10 cadeiras (de 24 para 14) e o PSDB perdeu nove de seus 22 parlamentares, caindo para 13.

 

 

Por outro lado, o chamado “centrão” estagnou por perder 18 cadeiras na Câmara: PP do atual presidente da Casa, Arthur Lira; dos Republicanos de Marcos Pereira; do PTB de Roberto Jefferson e do PSC do Pastor Everaldo. Entre esses, o PP perdeu mais deputados, de 58 foi para 47 – queda de 11 cadeiras.

 

 

Os partidos pró-Bolsonaro (PTB, PSC e Patriota) tem 16 cadeiras. Sua coligação (PL, Republicanos e PP) tem 178 deputados, totalizando 194 – 28 a menos do que os pró-Lula.

 

 

Para ter maioria precisaria do apoio de partidos que não têm raiz” bolsonarista” e isto pode ser feito, ao contar com parlamentares de partidos que não se identificam com a extrema direita.

 

 

Os partidos que não têm, segundo o jornal, uma tendência nem para Lula, nem Bolsonaro são: União Brasil, PSDB, Cidadania, PMN, DC, Podemos, PRTB, Novo, UP, PSTU, PCB, PCO, PMB. Juntos eles somam 97 deputados federais. O total de parlamentares na Câmara Federal é de 513.

 

 

Senado Federal

 

 

O PT elegeu 4 senadores, entre eles os ex-governadores Camilo Santana (CE) e Wellington Dias (PI), além de contar com o apoio do ex-governador do Maranhão Flávio Dino (PSB), que também irá para o Senado.

 

 

Mais cinco candidatos do PL foram eleitos ao Senado subindo sua bancada para 14.  O Republicanos, da coligação de Bolsonaro, também ganhou mais duas cadeiras, indo de 1 para 3 senadores. PP (-1) e PTB (-2) tiveram queda.

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *