Publicidade

Haddad e Sergio Massa: mais que moeda comum, fortalecer PIB da região

  • em



Ministros Massa (Economia da Argentina) e Haddad (Fazenda do Brasil) tratam de comércio bilateral, energia e financiamento. Empresários falam e melhorar setor produtivo com inclusão social

 

Além dos encontros entre os presidentes Alberto Fernández e Lula, os governos da Argentina e do Brasil apresentaram seus ministros Sergio Massa, da Economia, e Fernando Haddad, da Fazenda. Se Lula falou da reconstrução de pontes na área das relações comerciais, da cultura, da amizade e até do futebol, Massa e Haddad acentuaram o objetivo de restabelecer o intercâmbio econômico. Não apenas entre os dois países, mas no continente. E muito além da ideia de criação de uma moeda comum para guiar o comércio exterior.

 

“Temos o desafio de nos reencontrarmos e seguirmos uma trajetória de recuperação do comércio bilateral que já foi muito forte em relação ao tamanho do PIB de Argentina e Brasil. Há 10 anos perdemos quase 40% do comércio bilateral, o que nos impõe desafios, e também compromissos trabalhistas”, explicou Massa em entrevista coletiva ao lado de Haddad transmitida no final da tarde desta segunda-feira (23).

 

A lista de questões e intensões dos comandantes das maiores economias da América do Sul inclui investimentos em energia, exportação de gás através do gasoduto Néstor Kirchner e financiamento à exportação com ajuda dos bancos públicos. O ministro Sergio Massa enfatizou os planos para construir uma moeda comum “que não seja única”. Mas que abra caminho para que ajudar no aprofundamento do sistema comercial entre Argentina e Brasil na região e no Mercosul.

 

Massa explicou ainda que a moeda comum “não significa renunciar à moedas de cada um dos países – o peso e real –, mas encontrar um denominador comum comercial que reflita o poder do PIB região”.

 

Bancos públicos

 

Por sua vez, Fernando Haddad disse que “a Argentina tem um problema de escassez de divisas e que está tendo problemas para fornecer produtos brasileiros, por isso desenhamos um sistema de garantias que permite estender o prazo de conversão de pesos para reais”. O ministro brasileiro sustentou que “o Banco do Brasil não vai assumir risco de crédito”, mas que o que está sendo negociado é um sistema de garantias. O Brasil não tem problemas cambiais. “A carta de crédito é paga pelo fundo garantidor.”

 

A parceria prevê a elaboração de um acordo entre o Banco do Brasil e o Banco Nación com um plano de garantia. “O valor será anunciado pelo Ministro da Fazenda brasileiro e isso nos permitirá agilizar o processo de fornecimento e exportação de empresas do Brasil para a Argentina e fornecimento de empresas argentinas com empresas brasileiras”, argumentou o ministro da Economia. Mais cedo, o presidente Lula citou também a importância do BNDES.

 

No início de fevereiro, autoridades econômicas argentinas viajarão ao Brasil para definir o mecanismo de funcionamento do regime de garantia. E também para abrir o mercado de gás ao Brasil. “Na segunda semana de fevereiro os dois bancos centrais se reunirão para definir a extensão do acordo cambial’, informou Massa.

 

Novos acordos entre Brasil e Argentina marcam encontro de Lula e Fernández

 

 

Relação empresarial e social

 

 

Representantes da União Industrial Argentina (UIA) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI) do Brasil apresentaram às autoridades dos dois países uma declaração sobre os eixos de uma agenda produtiva bilateral e da relação público-privada bilateral. O documento prevê um compromisso conjunto de trabalho para uma maior integração comercial e energética.

 

 

“A ideia é ter um plano de ação imediato e comum para os objetivos que o setor produtivo pode alcançar. Tanto para o desenvolvimento quanto para a inclusão social de nossos países”, disse o presidente da UIA, Daniel Funes de Rioja. O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, afirmou compartilhar as expectativas. “ A Argentina é um parceiro fundamental e temos certeza de que no Mercosul teremos maior capacidade de crescer, desenvolver e discutir acordos internacionais”, disse.

 

 

Informações do jornal Página|12




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *