Governo federal teria pago apresentadores, influenciadores da mídia, radialistas e até dupla sertaneja para fazerem campanha pró-Bolsonaro. Alguns cachês superam a marca dos R$ 400 mil

 

 

De acordo com planilhas disponibilizadas pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) entregues à CPI da Covid, cerca de 32 apresentadores e influenciadores receberam cachês para campanhas do governo federal, segundo a Folha de São Paulo.

 

 

A mídia relata que, na televisão, as campanhas foram defendidas por apresentadores bolsonaristas ou por quem trabalha em emissoras com uma vertente mais próxima ao governo, como a Record TV e a Rede TV!

 

 

Na Rede TV!, quem faturou pelo menos R$ 122 mil foi o apresentador e um dos donos da emissora, Marcelo de Carvalho.

 

 

Outros apresentadores do canal, como Luciana Gimenez, Sikêra Júnior e Luís Ernesto Lacombe também receberam verbas. O pagamento de 11 cachês à emissora foi feito por meio das empresas de Carvalo, a New Mídia Serviços e TV Ômega Ltda, de acordo com a Folha.

 

 

 

Já na Record TV, quem encabeça a lista é o apresentador Cesar Filho, ele teria embolsado 11 cachês que somam R$ 525 mil. Seguido por Filho, está a apresentadora Ana Hickmann, apontada na planilha como tendo recebido nove cachês, que somam R$ 411 mil.

 

 

Além dos mencionados, nomes como Ticiane Pinheiro, Luiz Bacci e Marcos Mion, que atualmente foi para a TV Globo, fazem parte da lista. Os pagamentos foram feitos por meio da empresa Rádio e Televisão Record.

 

 

Os desembolsos foram realizados pela Secom por meio de subcontratação das empresas PPR Profissionais de Publicidade Reunidos, Calia/Y2 Propaganda e Marketing e Artplan Comunicação. Segundo a Folha, todas elas têm contratos com o Executivo federal.

 

 

No total, a mídia afirma que que o governo federal pagou ao menos R$ 4,3 milhões para apresentadores de TV, radialistas, influenciadores digitais e uma dupla sertaneja para fazerem merchandising do governo.

Do site 247